Bandeira branca entre Cristovam Buarque e Agnelo.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Bandeira branca
Foto: Thyago Arruda e Luiz Alves / Agência
Senado

Governador Agnelo Queiroz e senador Cristovam Buarque aparam
arestas em longa reunião no Palácio do Buriti. Em jogo, a reaproximação
do PDT com o GDF

 

Priscila Mesquita_Brasília247 – Os problemas são muitos. Por
isso a conversa demorou. Durante uma hora e meia, no gabinete do
governador,  Agnelo Queiroz reuniu-se no início da noite desta
terça-feira (20) com o senador Cristovam Buarque e com o presidente
regional do PDT, George Michel. Eles entregaram a Agnelo uma lista de
todos os problemas apontados pelo PDT na gestão petista.
Participaram também da conversa os secretários Paulo Tadeu (Governo),
Arlete Sampaio (Desenvolvimento Social), Wilmar Lacerda
(Administração), o chefe de gabinete Cláudio Monteiro e Roberto Wagner,
segundo suplente de Cristovam e presidente do Fórum de Partidos da base
de apoio de Agnelo. Arlete e Wilmar são amigos de Cristovam e
intermediaram o encontro, agendado dois dias atrás em um almoço entre
eles.
O clima da reunião foi ameno e cordial, apesar de críticas feitas por
Cristovam a Agnelo semanas atrás, em especial depois da escolha do 
secretário de Educação, Denilson Bento. Cristovam e Michel explicaram os
pontos que consideram falhos no governo e ouviram atentamente o
governador discorrer sobre diversas ações de sua gestão.
Pagamento de décimo quarto salário aos professores, criação de
programa para erradicar o analfabetismo, retorno pleno da Escola de
Aperfeiçoamento dos Professores são algumas das cobranças na área da
Educação. Mas o documento lista outros temas como saúde, transporte,
segurança e meio ambiente, além de destacar que a escolha dos
secretários não deve seguir da indicação partidária, e sim ser
subordinada ao conselho político dos partidos da base de apoio.
Segundo Cristovam, Agnelo ponderou que o problema não é a falta de
atitude do governo, mas sim a falta de comunicação entre eles. “Deixamos
claro que estamos afastados do governo, mas não do diálogo”, disse o
senador.
O resultado da conversa só será avaliado nos próximos dias. A cúpula
do PDT vai acompanhar  as ações de Agnelo em relação às ponderações
listadas para sentir se há ou não disposição de cumprimento delas.
“Esperamos que seja breve esse tempo, mas sabemos que é um processo”,
afirmou Michel. Ele aguardará o posicionamento do GDF para agendar
reunião do diretório regional esfera que irá julgar em definitivo se o
PDT sai ou não da base de apoio do GDF.
Veja carta:
Brasília, 20 de setembro de 2011.
O PDT tem orgulho de ter participado do esforço para eleger a chapa
Novo Caminho. Unimo-nos contra o passado. Mas nesses oito meses
iniciais, não sentimos ações, decisões, nem falas que sirvam de fato
como base para manter essa unidade. Tampouco estamos, nesses oito meses,
nos sentindo como partícipes do processo de governo. Nem o PDT, nem
nossas duas maiores lideranças, o Senador Cristovam e o Deputado
Reguffe. Foi por essa razão que a Executiva do PDT decidiu comunicar o
nosso afastamento da base de apoio.
Além da necessidade de
discutirmos a real participação no PDT no Governo do Novo Caminho,
apresentamos abaixo, apenas como exemplo, alguns compromissos que
imaginávamos que seriam executados; e ou não foram, ou estamos tão
afastados que não tomamos conhecimento deles:
I. Democracia, Participação e Transparência
1. Consolidação de Conselho Político formado pelos presidentes de
partidos, com reuniões quinzenais;
2. Nomeação de secretários sem
necessidade de indicação partidária, mas com nomeação subordinada à
consulta ao conselho político dos partidos;
3. Criação de Conselhos
de Grandes Obras, com participação da OAB, do IAB, CREA e outras
entidades da sociedade civil ligadas ao tema, a ser consultados na
definição de projetos e com participação na fiscalização de licitações;
4.
Vendas de terrenos da Terracap passando por audiências públicas ou por
um Conselho Democrático e Transparente para definir o uso do nosso maior
patrimônio;
5. Não usar a máquina do governo, inclusive cargos, para
interferir nos assuntos internos dos partidos da base;
6. Escola de
administradores por consulta aos eleitores da cidade.
II. Construção do Futuro
1. Transformação da CODEPLAN num órgão de Pesquisa, Avaliação,
Monitoramento e Acompanhamento das políticas públicas governamentais,
para que o mesmo se transforme, guardadas as devidas proporções, no que é
o IPEA para o Governo Federal.
2. Realizarmos Concurso para escolher
o projeto “Brasília nos Próximos 50 Anos” nos moldes do que foi feito
por JK quando foi selecionado o Plano Lúcio Costa;
3. Criar
incentivos e regras que possam mobilizar o GDF, as universidades, os
empresários e profissionais para fazer de Brasília um Centro de Produção
de Economia do Conhecimento.
III. Revolução na Educação
1. Pelo menos quatro cidades com Escola Básica Ideal: verdadeiro
tempo integral, grade escolar com ciência, artes, línguas e esportes;
2
Retorno pleno da Escola de Aperfeiçoamento dos Professores (EAP),
evoluindo para uma Faculdade de Educação do DF;
3 14º salário para os
professores da rede pública, como incentivo à melhoria da qualidade da
educação, a ser conferido com base nos resultados por escola;
4 Volta
de projetos como: Poupança Escola, Escola em Casa, Projeto Saber, Bolsa
Alfa;
5 Efetiva realização de programa de erradicação do
analfabetismo, com localização dos analfabetos e pagamento da Bolsa
ALFA. Instalação em pontos de grande concentração de pessoas, de
“Relógios da Erradicação do Analfabetismo”;
6 Cidadania nas escolas
com aulas de Direitos Humanos, Trânsito, Constituição Federal, Palestras
de Políticos;
7 Criação de uma Escola de Gestão Escolar;
8
Democratização da gestão escolar com competência gerencial.
IV. Garantia da Saúde
1 Volta imediata do Saúde em Casa.
2 Garantia de “check up” anual
gratuito para todo habitante do DF com mais de 50 anos de idade;
V.
Melhoria do Transporte
1. Implantação da Tarifa Zero no transporte
urbano;
2. Implantar ciclovias em cada Região Administrativa.
VI. Cuidado com o Meio Ambiente
1. Programa de reflorestamento no DF (1 milhão de árvores/mudas por
ano);
2. Audiências públicas para toda operação de derrubada de
árvores em escala capaz de afetar a paisagem ou o Meio Ambiente;
3.
Programa de conservação da água.
VII. Geração de Energia
1. Transformar consumidores de energia em produtores domésticos de
energia solar.
VIII. Tratamento do Lixo
1. Aproveitamento energético do lixo;
2. Reimplantação do sistema
de coleta seletiva usando cooperativas.
IX. Oferta de Segurança
1. Corrigir valor do Rancho dos PM´s e Bombeiros, que não aumenta
desde 1996;
2. Implantação de mais delegacias da mulher;
3. Volta
da Polícia Comunitária;
4. Criação de um cinturão de proteção ao
redor de cada Escola e de locais de práticas de Esporte.
X. Promoção da Cultura
1. Criação de Vilas Culturais com cinema, teatro, biblioteca, corais,
orquestras;
2. Volta da Mala do Livro e Temporadas Populares, Arte
nas Escolas;
3. Funcionamento das Vilas Olímpicas.
Presidente Regional do PDT-DF
Georges Michel

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: