“Branco sai, Preto Fica” tematiza violência policial e racismo na Ceilândia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
A repressão policial a um baile black na Ceilândia, em 1986, forneceu o rastilho que percorre o filme Branco Sai, Preto Fica, em que o cineasta Adirley Queiroz (A Cidade é uma Só) revisita seu estilo e temáticas habituais de maneira contundente e original. Mais uma vez, como é a marca registrada desta edição, transgredindo fronteiras entre gêneros. Além de incorporar elementos marcadamente documentais, o trabalho transita entre o drama e a ficção cientifica, com surpreendente fôlego e boa resolução.

Já exibido e até premiado em outros festivais (como Tiradentes), o filme se energiza com sua própria liberdade, concretizando uma reflexão política sobre exclusão social, repressão policial e racismo com bastante propriedade. Seus personagens principais são encarnados por homens negros da Ceilândia, como Marquim da Tropa e Shockito, que carregam na carne as marcas da repressão policial – Marquim, que é músico, ficou paraplégico e Shockito, jogador de futebol, usa uma prótese no lugar de uma perna amputada depois de uma perseguição por policiais a cavalo.
Essas cicatrizes visíveis somam-se a outras, como o isolamento desses homens numa periferia desassistida, em que eles cultivam também uma raiva e um projeto de vingança anarquista contra Brasília, o símbolo do poder que os oprime.
A ficção científica se insere em detalhes, como a exigência de um passaporte para que os moradores das chamadas “cidades-satélite” entrem em Brasilia – documento que se torna naturalmente objeto de um mercado negro  – e também nas intervenções de um enviado do futuro, Dimas Cravalança, que veio ao passado buscar provas contra o Estado brasileiro por crimes cometidos. E aí, certamente, também se infiltra o humor cáustico da história.
Retrato de geração
No debate do filme, o diretor Adirley afirmou que ele reflete muito a experiência de sua geração, homens na faixa dos 40 anos que sentiram muito na pele esse distanciamento em relação a Brasília. “Brasília para nós é tão distante quanto para o Rio ou São Paulo. A gente ia lá passear”, comparou. Por isso, a ideia do passaporte surgiu naturalmente na história.
O filme foi realizado a partir de ideias precisas, desenvolvidas com muitas conversas com os atores, mas não amarrado a um roteiro muito rígido em termos de falas, só de situações. Para Adirley, “o desafio era trazer a força dos personagens para o filme sem se tornar paternalista”. Outra preocupação foi incorporar a raiva dos personagens, inclusive contra as imposições dos próprios mecanismos do cinema (câmera, som, edição), pois isso, a seu ver é que garante um “filme minimamente honesto”.
Ele enxerga a obra como um “retrato de uma geração masculina, homens de periferia que ficavam nas esquinas, cujas relações com as mulheres se estabeleciam apenas nos fins de semana”. Ele admitiu que esses homens, héteros, eram impregnados de uma cultura machista, eventualmente até com traços homofóbicos. E que não consegue assistir ao filme inteiro, porque se emociona. “Acho o filme muito dolorido, muito melancólico. Esses caras, esses ‘homens da quebrada’, estão sendo exterminados, até hoje, e não só na Ceilândia. Veja o caso do pessoal do funk em Santos, é a mesma coisa”.
Curtas
A noite de sábado teve dois curtas bem diferentes. O primeiro, o terror Nua por dentro do couro, de Lucas Sá (MA/RS), que delineia o percurso das perversões de uma mulher (Gilda Nomacce, de Trabalhar Cansa), moradora de um prédio de apartamentos, e que cruza o caminho de uma jovem vizinha (Miriam Possani), que usa um tapa-olho.
O segundo curta foi a animação gaúcha Castillo y el Armado, de Pedro Harres – que participou da competição da mostra Horizontes, do mais recente Festival de Veneza. Uma cuidada produção da Otto Desenhos Animados, de Otto Guerra, o filme adapta no enredo uma história verídica vivida pelo ilustrador uruguaio Ruben Castillo, que assina a direção de arte e faz a voz do protagonista, envolvendo a luta feroz de um pescador, obcecado por capturar um peixe difícil. Uma bela realização técnica, em preto-e-branco, com bom uso de sons e música, esta original, de autoria de Juan Vicente Torrealba.


Por Neusa Barbosa

Fonte: Cine Web / Portal Geledés Imagem reprodução Web

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: