Brasil: Malafaia causa polêmica sobre gays, mas biólogo desmente pastor.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

(Foto: Divulgação e reprodução)

(Foto: Divulgação e reprodução)


A entrevista do pastor Silas Malafaia no programa “De frente com Gabi”, que foi ao ar no ultimo domingo (veja aqui) no SBT, tem gerado muita polêmica.



Entre outras afirmações, Malafaia cita um suposto estudo científico cujo resultado apontaria que 46% dos homossexuais foram vítimas de abuso durante a infância ou adolescência, influenciando assim em sua orientação sexual. O restante, 54%, ainda segundo Malafaia, teria escolhido tal condição.


O biólogo Eli Vieira, que é mestre em genética molecular e está fazendo um PhD nesta mesma área pela Universidade de Cambridge, na Inglaterra, decidiu responder aos “conhecimentos genéticos” do pastor.




Mais Goiás


Assista ao vídeo:

1 Comment

  • Avatar
    Felipêncio Júnior , 6 de fevereiro de 2013 @ 17:34

    SILAS MALAFAI ESCREVEU EM SEU SITE:

    Toda a argumentação que ele apresenta é apenas suposição científica, sem prova real, e tremendamente questionada pela própria Genética. É igual à Teoria da Evolução, uma argumentação científica que não pode ser provada.

    Não existe ordem cromossômica homossexual, só de macho e fêmea. Então, pseudodoutor, não existe uma prova científica de que alguém nasce homossexual, apenas conjecturas.

    Dados de pesquisas americanas: 86% dos homens homossexuais já se apaixonaram ou tiveram relação com mulheres; 66% das mulheres homossexuais já se apaixonaram ou tiveram relações com homens. Como alguém nasce homossexual se já teve relação heterossexual? Isso é uma piada!

    46% dos homens homossexuais já sofreram abuso por homens. A pesquisa é mais estarrecedora ao mostrar que 68% dos homens homossexuais só se identificaram com o homossexualismo após o abuso.

    Se o rapaz metido a doutor em Genética quiser saber mais, leia o livro Nascido gay?, do Dr. John S. H. Tay, que tem mestrado em Pediatria e dois doutorados: um em Genética e outro em Filosofia, e analisou 20 anos de pesquisas sobre o assunto.

    Mais uma para o pseudodoutor sobre os gêmeos monozigóticos, que são idênticos geneticamente: 35% desse tipo de gêmeo que é homossexual, o seu irmão gêmeo é heterossexual. Logo, conclui-se que geneticamente não se nasce homossexual, e o fator externo, do ambiente, é fundamental para determinar isso. Preferência aprendida ou imposta. Ou todos teriam de ser homossexuais ou todos teriam de ser heterossexuais no caso de gêmeos monozigóticos.

    [Algumas fontes de pesquisas do livro citado: TOMEO, M. E.; TEMPER, D. I.; ANDERSON, S. Kotler D. Archives of Sexual Behavior [Registros sobre comportamento sexual], outubro de 2011; 30(5):535-41 ; STODDAR, J. P.; DIBBLE, S. L.; FINEMAN, N. “Sexual and physical abuse: a comparison between lesbians and their heterosexual sisters”, in: Journal Of Homosexuality, 56(4):407-20, 2009.]

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: