Ceilândia guarda histórias de vários cantos do país

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Quem hoje passa pela cidade mais populosa do Distrito Federal, com mais de 450 mil habitantes, talvez não imagine que 49% das pessoas que vivem lá atualmente vieram de outros estados brasileiros. Criada em 1971, Ceilândia surgiu pela Campanha de Erradicação das Invasões (CEI) e guarda em sua história a luta de brasileiros como dona Edite Martins, a primeira moradora da cidade, que acabou transferida com seus três filhos pequenos da Vila do IAPI para o assentamento que se formava a 21km das construções do Plano Piloto.

“Vivia em um barraco no IAPI, um dia o pessoal do governo colocou um recado, avisando que iam derrubar tudo e nos levar para outro canto. Nem sabia onde ficava isso. Fui premiada com esse lote, o meu foi o primeiro barraco a ser arrancado, fui a primeira em Ceilândia. Mudei para cá com meus três filhos pequenos, depois tive mais dois”, lembrou Edite.
No dia 27 de março do ano de criação da cidade, às 9h, o então administrador do local, Hélio Prates, lançou a pedra fundamental de Ceilândia. O nome da cidade foi escolhido pelo então secretário de Serviço Social, Otamar Lopes Cardoso. A primeira sílaba veio da sigla CEI, para relembrar o processo importante pelo qual a cidade havia passado, e o complemento “lândia”, que tem origem norte-americana e significa “cidade”; alguns dizem que apenas se adotou o modismo de sufixos em inglês da época.
Naquele dia, 20 famílias seriam assentadas, mas foi dona Edite a primeira a receber seu pedacinho de terra, que ficava na QNM 23, Conjunto P, lote 12. Um culto ecumênico marcou a conquista dos novos moradores de Ceilândia.
Dona Edite veio do Espirito Santos apenas para assistir ao casamento de um primo. Anildo Gomes trabalhava na Novacap, na construção da capital federal. A capixaba, que ficou surpresa com a união do primo com uma moça que ele havia conhecido na nova capital, fez parte da viagem até Brasília de trem e outra de ônibus.
“De Vitória a Belo Horizonte eu fui de trem, lá pegamos um ônibus para chegar a Brasília”, afirmou Edite, que fazia a viagem aos 24 anos com dois primos que tinham a mesma idade e um tio que era o responsável pelo trio.
Mesmo com a distância, Dona Edite diz que não se cansou, tudo era festa para eles. “Éramos todos jovens, não nos importávamos com nada”, ela contou ao se recordar de um episódio engraçado durante a viagem.
“Foi muito engraçado, estava indo para um casamento, então coloquei na mala um vestido novo, sapato, joias… e foi tudo perdido. Quando chegamos na Rodoviária do Plano Piloto, e eu fui pegar a minha mala, cadê? No lugar estava a mala de um homem, igualzinha à minha, mas praticamente vazia. Tinha só uma marmita, duas calças e um barbeador”, lembrou aos risos.
No entanto, mesmo com as dificuldades, a relação com Brasília foi amor à primeira vista. Dona Edite se apaixonou pela cidade que começava a nascer e nunca mais quis sair.
A senhora de risada simpática, que completou 73 anos este mês, já está aposentada, mas faz questão de continuar trabalhando. Ela é doméstica, em uma casa na Asa Sul, e passa a semana inteira no serviço, mas garante que conta os minutos para voltar para sua cidade. “Já estou aposentada, mas trabalho porque eu amo fazer isso. Adoro a minha patroa, ela é uma grande amiga, passo a semana com ela, mas adoro quando o fim de semana chega e eu vou para casa”, desabafou.
Dona Edite ainda vive em Ceilândia, mas hoje em novo endereço. Três de seus filhos vivem com ela e outro se mudou para Salvador. “Não troco a minha cidade por nada. Foi aqui que criei minha família, já tenho até um neto. Quando cheguei aqui era só barro”, disse Edite, que se declara feliz por ver a cidade crescer. “A gente sofreu, mas a gente venceu”, complementou emocionada.
CAIXA D’ÁGUA – A pedra fundamental na cidade hoje chama a atenção de longe. Não há quem não conheça a caixa d’água da cidade, que, do alto, mostra onde tudo começou. Ceilândia cresceu ao redor do reservatório, que hoje é reconhecido e tombado como um patrimônio histórico do DF.
“A Caixa D’Água é um ícone da memória da construção de Ceilândia. Quando fomos procurados pela comunidade, acatamos o pedido, fizemos uma pesquisa e consideramos que esse tombamento é uma grande vitória para os moradores da cidade”, declarou o secretário de Cultura do DF, Hamilton Pereira.

Agência Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: