Ceilândia: Uma Águia imperial

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

SINOPSE

 Nossa história se inicia pelas representações teatrais ao ar livre, que são realizadas anualmente por todo o território nordestino do Brasil.

O convívio das três raças está muito bem representa pelo BUMBA MEU BOI, também conhecido como BOI BUMBÁ e que trata de uma fábula da época da implantação da pecuária.A história é bem simples: umhomem branco, dono de um boi, vê um homem negro roubar-lhe o animal, com o objetivo de retirar sua língua. Por qual razão? Porque a sua esposa, que está grávida, deseja comer língua de boi. O boi morre ao ter sua língua retirada. Acontece que esse era o boi predileto do patrão. Então, um pajé tenta ressuscitar o animal morto.
Representando a herança indígena, Os CABOCLINHOS, CABOCOLINHOS OU CABOCLOS, tem origem em danças executadas por crianças e jovens tupinambás do sexo masculino, mas hoje é representado por ambos os sexos e foi instrumento fundamental para aproximação dos missionários com os indígenas nordestinos.  Como filhos de caboclos ou descendes de índios, participam , usando tangas, cocares, braceletes de penas de perú, brincos feitos de conchas, dentes ou sementes, colares, machadinha, arco-e-flecha, cocares de penas e pintam o corpo com ocre. São ritmados acionando seus arcos-e-flechas ao som de maracas, reco-recos e pífanos e comandados pelo “caboclo velho”, um adulto que é considerado o mestre ou rei.
Criado pelos negros, O MARACATÚ surgiu para manter o rigor da nobreza e os símbolos do poder de uma realeza europeia. Associaram o agregador da unidade social e os preceitos religiosos. Momento de reviver as relações de poder entre senhores e escravos e é carregado pelo complexo religioso de Xangô. Carregam estandartes bordados com fios dourados sobre veludo e cetim, as coroas, espadas, cetros e capas e as damas da corte levando calungas, tudo ao som de instrumentos de percussão.
Seguimos pelo REISADO que remonta do período do Brasil-Colônia e é realizado no natal e se estende até o dia 06 de janeiro do ano seguinte. Seus personagens perpetuam a saga dos Reis Magos que seguem a Estrela Guia até a manjedoura do Deus Menino, inserindo personagens nativos.
As danças e seus ritmos tradicionais vão construindo as raízes culturais da região.
Representando ao mesmo tempo uma dança e uma espécie de luta, a CAPOEIRA surgiu no Nordeste, trazida pelos escravos africanos. Difundiu-se muito depressa em Salvador e um pouco no Recife. A capoeira é dançada ao som do pandeiro, de cantos, do ritmo de palmas, e especialmente do berimbau.Originário da África, esse instrumento compõe-se de um arco de madeira, com cerca de um metro e meio de comprimento, uma corda de metal, feita de arame, uma caixa de ressonância – uma cabaça cortada e amarrada com cordão -, uma cestinha contendo sementes de caxixe, uma vara pequena de madeira para percutir a corda, e uma moeda pesada. Feito um semicírculo, duas pessoas entram na roda e começam a lutar através de gingas, meneios de corpo, rasteiras, golpes e contragolpes rápidos. Há que se ter cuidado, no entanto: alguns golpes de capoeira podem levar à morte.
Conhecida como uma dança de guerra, o XAXADO era a maior diversão entre os cangaceiros, notoriamente pelo bando de LAMPIÃO e tornou-se popular entre todos os bandos. Nunca se tornou dança de salão por ser exclusivamente masculina, pois na época era rara a presença de mulheres no cangaço, de onde se destacou MARIA BONITA e a arma era feita de dama.
O “ciclo junino” possui o auge da representação folclórica nordestina. Nas festas de Santo Antônio (13/06), São João (24/06) e São Pedro (29/06) dança-se a QUADRILHA, realizada ao som da SANFONA, no ritmo do FORRÓ, dançada com pares sob o comando de um chefe que dá comandos para coreografias pré-estabelecidas. Durante as festividades, as pessoas costumam se vestir com tecidos bastante coloridos, as chamadas roupas de matuto: as mulheres, vestindo saias largas, cheias de babados, calçadas com sapatos e meias, enfeitadas com grandes tranças no cabelo que terminam com laços de fita e, por cima, um chapéu de palha; e, os homens, vestindo calças remendadas, camisas coloridas, todos eles enfeitados com bigodes e cavanhaques pintados a carvão, carregando um cachimbo na boca, e também com um chapéu de palha na cabeça. É realizado o “casamento na roça” e as cidades são enfeitadas de bandeirinhas presas nos postes.
Sigamos então ao artesanato nordestino, muito bonito e diversificado. Na região são produzidos diversos tipos de cerâmica (utilitária, decorativa e lúdica); redes e rendas; cestarias; xilogravuras; talhas e esculturas em madeira; trabalhos feitos em couro, pedras, mariscos, chifres, sementes, grãos, fibras, entre tantos outros.
Cabe registrar que a arte de fazer rendas é uma herança que o europeu deixou no Brasil. As noivas costumavam encomendá-las para o enxoval e, os padres, para os seus paramentos. Os pontos das rendas podem ser: carocinho de arroz, meia-lua, flor de goiabeira, traça, caracol, margarida, bico de pato. Como a confecção de rendas é uma atividade corrente no Nordeste, a mulher rendeira passou também a ser uma figura típica da região.
No folclore nordestino encontram-se presentes os poetas e trovadores. Mediante a proliferação das oficinas tipográficas, a famosa literatura de cordel (os folhetos populares), com as suas capas ilustradas com xilogravuras, é colocada à disposição do público.
Há que se destacarem alguns importantes poetas populares: Catulo da Paixão Cearense (conhecido no País e no exterior), Leandro Gomes de Barros (um dos principais expoentes da arte cordelística brasileira), Antônio Gonçalves da Silva (apelidado Patativa do Assaré, que nasceu e viveu no município de Assaré, no Ceará), o pernambucano José Saturnino dos Santos (conhecido como Andorinha), os paraibanos Sebastião Marinho, Pedro Bandeira (“O Príncipe dos Poetas do Nordeste”) e Zé Limeira (este último, de Taperoá), entre inúmeros talentosos profetas do verso e da viola.
Segue nossa viagem, agora pela culinária nordestina. Rica em saboresé reconhecida mundo afora e compõe grande parte da mesa brasileira. No Maranhão o cuxá-da-roça e o caruru; no Piauí o arroz de capote e pirão de parida; no Ceará a buchada de bode, a caranguejada e o cuscuz de milho; no Rio Grande do Norte o empadão de camarão e o doce de caju; na Paraíba a carne de sol, a rapadura e a tapioca molhada; em Pernambuco a galinha à cabidela e o bolo de rolo; nas Alagoas o “baião de dois”; em Sergipe: a paçoca e a mariscada e na Bahia a tradição da cocada, do vatapá, o acarajé e o abará. Deu água na boca, não?
Nossa saga se conclui com a maior festa cultural do país, o CARNAVAL que também é destaque no nordeste brasileiro. Os blocos de frevo invadem as ruas de capital pernambucana, como o Galo da Madrugada e Olinda têm suas ladeiras históricas ocupadas pelo povo no Bacalhau do Batata e pelos seus bonecos gigantes. Salvador desfila seus blocos oriundos do Afoxé, como os Filhos de Gandhi e os trios elétricos com grandes artistas da Axé Music, herdeiros da inventividade de Dodô e Osmar.

Ouça o Samba Enredo – Carnaval 2014

Confira a letra
AUTORES: LUIZINHO ANDANÇAS, DIEGO NICOLAU, SHEILA FORTES,
MARQUINHOS BEIJA-FLOR, PARÁ E THIAGO DANIEL
 INTÉRPRETE: LUIZINHO ANDANÇAS
BUMBA MEU BOI, MEU BOI BUMBÁ
ABRA PASSAGEM PRO TEATRO COMEÇAR
CABOCLO VELHO REINA AO SOM DOS MARACÁS
DANÇAM OS TUPINAMBÁS EM RITUAL
NA PERCUSSÃO VAI SEGUINDO O MARACATU
SOB LINDO CÉU AZUL, NO REISADO LÁ VOU EU
QUERO GINGAR NA RODA DE CAPOEIRA
NO XAXADO, LEVANTAR POEIRA
SOU DO CANGAÇO, DO BANDO DE LAMPIÃO
E DANÇO um FREVO NO COMPASSO DO SERTÃO
“ANARRIÊ”, “CUMPRIMENTÔ”
“CAMIN” DA ROÇA, “ÓI O TÚNI” MEU AMOR
OLHA A CHUVA (ÊÊ) É MENTIRA (AH)
VEM SANFONEIRO ALEGRAR MEU “ARRAIÁ”
ARTE DAS MÃOS QUE GERA “RENDA”
É PALHA E MADEIRA, EM BARRO MOLDOU
EM RICAS PÁGINAS DE UM GLORIOSO CORDEL
CULTURA DE POETA MENESTREL
TEMPERO QUE O MUNDO CONSAGROU
UM FESTIVAL DE AROMA E SABOR
É CARNAVAL, VOU SAIR PRA RUA
CAIR NO “BATATA”, NO “GALO” ME ACABAR
ATRÁS DO TRIO, EU VOU… NÃO ME “AVEXo” NÃO
SOU NORDESTINO DE CORAÇÃO
“OXENTE” MENINO, CHEGUE MAIS PRA CONHECER
O MEU NORDESTE É “ARRETADO” PRA VALER
NAS ASAS DA ÁGUIA, UM VÔO IMPERIAL
Ê TERRA BOA, ESPECIAL!

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: