Centros de saúde em Ceilândia oferecem acompanhamento para hipertensos

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Mais de uma tonelada de sódio foi reduzida na mesa dos brasileiros nos últimos 12 meses, segundo dados do Ministério da Saúde (MS). Esse vilão é um dos responsáveis por uma das doenças crônicas que atacam vasos sanguíneos, coração, rins e cérebro: a Hipertensão.
De acordo com a pesquisa realizada pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2013, do total de entrevistados no DF 22,3% sinalizaram a doença. A Secretaria de Saúde, no entanto, oferece tratamento nos centros de saúde.

Conforme as normas vigentes em âmbito nacional, o ideal é que cada pessoa consuma 5g de sal durante o dia, o que corresponde a 2mg de sódio. Mas, segundo a cardiologista da Secretaria de Saúde, Manira Boczar, o estilo de vida das pessoas faz com que esse número seja mais elevado.
“Hoje em dia as pessoas consomem mais produtos industrializados e congelados e são nesses alimentos que há maior concentração de sódio, pois é o elemento responsável por manter a conservação nesses casos”, explicou.
O acordo de cooperação estabelecido entre o MS e Associação das Indústrias da Alimentação (Abia) propiciou o monitoramento do uso de sódio nos alimentos industrializados. Segundo a pasta federal, em um ano houve redução de 1.295 toneladas de sódio na composição do pão de forma, bisnaguinhas e macarrão instantâneo.
Segundo a médica Sanitarista do Hospital Regional de Ceilândia (HRC), Mariângela Delgado, o excesso de sódio no organismo leva à hipertensão arterial. “Nas emergências observamos alteração elevada da pressão arterial de muitos pacientes. Os que são diagnosticados com hipertensão ou que estejam com os níveis alterados da pressão recebem orientação de como diminuir o sal na sua dieta”, acrescentou.
Os pacientes que se encaixam nesse perfil são inseridos no Programa de Hipertensão dop GDF. Todos os centros de saúde contam com esse serviço que acompanha e orienta como controlar a doença.
“O paciente que apresenta a pressão 14 por 12 de forma recorrente, nós já consideramos hipertenso. É uma doença que não tem cura, portanto, inserimos a pessoa no programa para que possa receber acompanhamento e orientação para adotar um estilo de vida mais saudável com alimentação associada à prática de exercícios. Se isso não for suficiente para controlar a doença, então iniciamos o tratamento medicamentoso”, destacou Marina Boczar.
HIPERTENSOS NO DF – A Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) divulgou a última pesquisa, referente ao ano de 2013, sobre a doença em adultos maiores de 18 anos.
Foram entrevistadas 53 mil pessoas por telefone em 26 capitais e no Distrito Federal. O resultado demonstrou que 22,3% dos entrevistados referiram ter diagnóstico médico de hipertensão arterial no DF e 24,1% no Brasil.
Saiba onde encontrar um centro de saúde mais próximo da sua casa: http://goo.gl/D4LZuX

SES DF

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: