Cinco perguntas para Paulo Octávio: “me pegaram para Cristo e meu empreendimento como mote”

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


O empresário e ex-vice-governador Paulo Octávio esteve por duas horas na tarde desta quarta-feira (7) prestando depoimento aos policiais da Divisão de Combate ao Crime Organizado (Deco), que investigam um esquema de concessão ilegal de alvarás em Taguatinga e Águas Claras.

Veja o que o empresário disse ao blog:

Qual o envolvimento do senhor com a Operação Átrio?
Tenho apenas um empreendimento em andamento em Taguatinga e um em Águas Claras. Ambos não foram aprovados por esses administradores (contra os quais a polícia emitiu mandados de prisão) e sim por administrações anteriores. Peço ao governo que, se existe uma dúvida, faça análise o mais rapidamente possível. Nossa empresa não faz projetos, executa os projetos elaborados pelos melhores arquitetos do Brasil.
A inauguração do Shopping JK está mantida?
Sim, claro. Cumpri todas as etapas, tenho todos os alvarás, tenho 100 lojistas na expectativa da inauguração dia 16. Serão gerados mais de 2 000 empregos. Uma operação em cima dos administradores não é motivo para prejudicar empreendimentos.
Os que as autoridades perguntaram ao senhor durante depoimento na delegacia?
Queriam entender o funcionamento das etapas para a construção de um empreendimento e expliquei tudo em detalhes. Estou à disposição.
Acha que a operação de hoje (7) foi uma medida para lhe prejudicar politicamente?
Espero que não, mas muitos assessores meus entendem que sim. Um projeto que está tramitando há cinco anos e passou por todas as etapas de fiscalização ser questionado há nove dias da inauguração é no mínimo muito intrigante.
Como pretende reagir, então?
Estou com a minha consciência muito tranquila, nunca tive um empreendimento questionado em Brasília e não vai ser esse que será. Não sou louco de investir tanto em Ceilândia em um projeto irregular. Não tem nada de errado. Estão me pegando como Cristo e o meu empreendimento, que é o maior, como mote.
Informou Lillian Tahan/Blog Grande Angular/Veja Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: