Combater o trabalho infantil é tarefa de toda a sociedade

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Em audiência pública realizada ontem (7), na Câmara Legislativa do DF, foi consenso de que o combate ao trabalho infantil deve envolver toda a sociedade. Na opinião da deputada Rejane Pitanga, autora da proposta de realização da audiência para discutir a implementação do Plano Distrital de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, o brasileiro precisa mudar sua visão de que o trabalho precoce prepara a criança para o futuro e a torna mais responsável. “O trabalho infantil perpetua a pobreza e cria um círculo vicioso onde as filhas e filhos das classes populares não conseguem sair”, afirmou.
Cintia Ramos, oficial de projetos do programa internacional de combate ao trabalho infantil da Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi taxativa: não existe paz social permanente sem justiça social. “O trabalho infantil é uma violação de direitos, não é decente, aumenta a pobreza, é perigoso para a saúde e dificulta a educação”, elencou ela ao defender que é inaceitável que mais de 115 milhões de crianças em todo o mundo estejam envolvidas com  trabalho perigoso. Por trabalho perigoso a OIT entende aqueles em que as crianças lidam com agrotóxicos, com lixo e no lixo, doméstico e urbano (nas ruas, nas noites).
Ela lembrou ainda que o dia 12 de junho foi escolhido como a data mundial de combate ao trabalho infantil em uma conferência da OIT, e que vários países transformaram a data em mobilização nacional para alertar para o problema.
Tanto o GDF quanto o Governo Federal assinaram termo de compromisso para erradicar o trabalho infantil, em especial o perigoso. Segundo a representante da Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda, Ana Lígia Gomes, o Governo local está buscando criar um cadastro único para ter um maior controle e assim expandir o atendimento às famílias e crianças.
Adriana Costa, representando a Secretaria de Educação, citou a implantação do programa de cultura da paz nas escolas como um dos esforços da Secretaria de educar para cidadania.
Por fim, Coracy Coelho, do Fórum Distrital de Prevenção do Trabalho Infantil, reforçou a necessidade de atuação em rede, articulada, integrada, poder público e sociedade para conseguir por fim a essa mancha que envergonha a todos.  

Isabella Melo
Assessora de Comunicação
Deputada Distrital Rejane Pitanga
Câmara Legislativa do Distrito Federal

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: