Cortes do GDF: servidores prometem parar Brasília já na próxima semana

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Fato Online – O anúncio de que o reajuste
dos servidores do Distrito Federal está suspenso acendeu um pavio de pólvora.
As 32 categorias que esperavam o aumento dos salários estão irredutíveis, a
ponto de não estabelecerem qualquer margem para negociação com o governo de
Rodrigo Rollemberg (PSB). Sendo assim, os brasilienses podem se preparar para o
caos: ou o chefe do Executivo muda de ideia ou a cidade, prometem os “cabeças”
dos sindicatos, vai mesmo parar a partir da próxima semana.

No fim de
tarde desta quarta-feira (15), enquanto Rollemberg destrinchava, no Palácio do
Buriti, a longa lista de medidas para tentar estancar a sangria do
governo, representantes de 22 entidades de classe e três centrais sindicais se
remoíam no lotado auditório do Sindicato dos Médios do DF (SindMédico), que
ocupa uma espaçosa cobertura de um prédio comercial às margens da L2 Sul.

Antes
mesmo do fim da reunião extraordinária dos sindicalistas, já era possível
ouvir, do lado de fora, parte dos discursos inflamados. “Não vamos aceitar
nenhuma justificativa. É greve geral”, bradou um deles. Grudados ao celular,
por onde acompanhavam o noticiário, os participantes reagiam em tempo real às
novidades vindas do Buriti.

Cronograma
A
discussão ainda rolava dentro do auditório, quando vazou a informação de que no
próximo dia 24, uma quinta-feira, os servidores farão uma greve geral, com
indicativo de paralisação por tempo indeterminado a partir do quinto dia útil
do mês seguinte, 7 de outubro.

A decisão
pela greve foi unânime. Difícil mesmo, contou o presidente do SindMédico,
Gutemberg Fialho, foi conter os ânimos dos mais exaltados, que defendiam
paralisação imediata. “Tivemos que segurar a onda”, resumiu o médico, que
também representa o Movimento Unificado em Defesa do Serviço Público do DF.

Na próxima
segunda-feira, os líderes do movimento baterão à porte de Rollemberg. Caso se
mantenha a suspensão dos reajustes combinados ainda no governo anterior –
que variam entre 2% e 20% -, os sindicalistas não vão querer nem papo. “Ele
(Rollemberg) não pode dizer que não tem dinheiro. Se não pagar (aplicar o
reajuste), vai infringir leis”, disse Rodrigo Rodrigues, secretário-geral da
CUT (Central Única dos Trabalhadores) no DF, representante do Fórum de Defesa
do Serviço Público do DF.

Manifestações
Preparados
para ouvir do governador a ladainha de que, de fato, não será possível honrar
com os compromissos assumidos por Agnelo Queiroz (PT), os representantes das
categorias já pensam em manifestações a partir da próxima terça-feira (22),
como forma de atiçar os servidores para a greve geral.

Questionados
sobre uma possível interpretação de que falta sensibilidade para entender o
atual momento econômico, os dois porta-vozes não negaram crise, mas sustentaram
que o “servidor não pode ser prejudicado”. “O governo teve vários meses para
negociar”, retrucou Rodrigues, que, ao fim do encontro, ironizou algumas das
medidas anunciadas pelo governador. “Aumentar preço de restaurante comunitário
vai mesmo resolver o problema.”

Por Diego Amorim / Portal Fato Online

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: