Criança mantida em cativeiro pela mãe em Ceilândia recebe alta

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

[Correio Braziliense] A criança de 7 anos mantida em
cativeiro pela mãe recebeu alta do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) após 12
dias internada. A menina encontrada desnutrida sofreu sérias restrições físicas
por quase um mês por influência da pastora de uma igreja da cidade. Apesar de
as duas terem sido presas no dia do resgate da vítima por policiais militares,
a dupla ganhou a liberdade, mas responderá na Justiça por tortura.

Essa não seria a única
situação ligada à líder da comunidade evangélica. Pelo menos três denúncias são
apuradas pela Polícia Civil e pelo Conselho Tutelar. Em uma delas, a
representante religiosa orientou outra fiel a não amamentar o filho
recém-nascido e encaminhá-lo para adoção. A exemplo da violência cometida em
Ceilândia, a pastora justificou que a criança era fruto do diabo.


O caso teve início quando a mãe, Roberta*, 38 anos, começou a frequentar a
igreja pentecostal no início da gravidez. A pastora se aproximou da mulher. E,
a partir daí, a grávida teve na líder uma mentora religiosa. A mulher dizia que
o bebê era filho do pecado, pois a mãe não era formalmente casada com o
companheiro. O pai da criança, José*, 38, chegou a presenciar cenas em que Roberta
socava o ventre. “Ela se machucava, dizendo: ‘Morre demônio, você não vai me
matar’”, afirma José. No sétimo mês de gravidez, ela o expulsou de casa. O
argumento era de que, se o relacionamento continuasse, a mãe morreria.

No dia do parto, ela impediu a entrada do pai do menino no hospital. José só
conheceu o filho dois dias depois do nascimento. A mãe nunca amamentou a
criança. “Ela chegou a tomar um remédio para não produzir mais leite”, lembra a
tia paterna. Da Certidão de Nascimento, não consta o nome do pai. Com o auxílio
do Conselho Tutelar, ele localizou o garoto, que passa bem, mas está na fila da
adoção de uma instituição. “Estou lutando na Justiça para conseguir o
reconhecimento de paternidade e também a guarda”, conta José.

O Conselho Tutelar acompanha o caso. “Essa suposta pastora estava influenciando
essa mãe a maltratar o bebê de 8 meses. Nesse momento, descobrimos que ela
havia entregado a criança para a Vara da Infância sob a influência dessa líder
religiosa”, detalha a conselheira tutelar Selma Aparecida Costa. “A criança
agora está sob custódia do Estado. Dissemos para o pai entrar com o pedido de
guarda. Vamos orientar as famílias a criarem a criança”, explica.

Sofrimento

Após o resgate, a criança de 7 anos precisou ser transportada com urgência para
o HRC para uma transfusão de sangue devido ao quadro de anemia aguda,
desenvolvido pela falta de alimentação e de mobilidade no cativeiro. A vítima
também precisará de cadeiras de rodas e passará por sessões de fisioterapia. A
suspeita é de que a garota tenha perdido massa muscular por causa das condições
de vida. “Estamos fazendo todos os acompanhamentos possíveis. Inicialmente, a
criança estava mais arredia com as pessoas, justamente em virtude da violência
sofrida. Agora, ela começou a interagir, mas vamos dar todo o acompanhamento
psicológico possível para ela”, revela Selma. Ela ficará na casa do pai.

Todas as denúncias, além de serem alvo do Conselho Tutelar de Ceilândia, são
investigadas pela Polícia Civil. “Os casos chegam e são apurados com todo o
cuidado, justamente por envolverem crianças. Estamos juntando todos os fatos e
coletando depoimentos de pessoas envolvidas para identificar se realmente
ocorreram outros casos de maus-tratos (na igreja). É tudo muito delicado”,
alerta o delegado-chefe da 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro), André
Leite.

* Os nomes são fictícios em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente
(ECA).

* Informações do Correio Braziliense

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: