Defesa Civil declara estado de atenção no DF devido à baixa umidade do ar.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A Secretaria de Defesa Civil  informa que o Distrito Federal entrou em estado de atenção, após uma avaliação das variações climáticas quanto à umidade relativa do ar. Há cinco dias consecutivos, é registrada umidade relativa do ar entre 20% de 30%. Isso tem implicações importantes para o meio ambiente e requer maior atenção da população com os cuidados com a saúde.

“A temperatura está elevada, e a umidade do ar vem baixando nos últimos dias, o que pode ocasionar problemas de saúde à população do Distrito Federal. Por isso, decidimos, estabelecer o estado de atenção, como medida preventiva”, explicou o secretário de Defesa Civil, coronel Luiz Carlos Ribeiro.
Pelos padrões da Organização Mundial de Saúde (OMS), a umidade relativa do ar ideal é de 60%. A OMS recomenda a declaração do estado de atenção quando os índices ficam entre 20% e 30%.
Esta época do ano é caracterizada pela longa estiagem e baixa umidade relativa do ar, o que provoca ressecamento das mucosas (que pode causar problemas respiratórios) e da pele. Assim, algumas precauções devem ser tomadas.
A Secretaria de Defesa Civil do DF pede atenção especial para as escolas e sugere a adoção dos seguintes procedimentos:
– Manter bebedouros, inclusive de emergência (potes e garrafas) em número acima dos já existentes, com boas condições de higiene e qualidade da água;
– Perguntar com frequência (a cada 20 minutos) se algum aluno está com vontade de beber água;
– Estar atento aos alunos com ânimo abatido ou queda rápida de rendimento e comunicar a direção da escola;
– Estar atento para detectar crianças enfermas, principalmente naqueles quadros com perda de líquidos (febril, diarreia, gripe, tosse etc);
– Manter as salas de aula com a máxima ventilação possível;
– Nas salas de aulas muito aquecidas pelo sol e com pouca aeração, planejar atividades externas intercaladas e sugerir o rodízio de salas para que os mesmos alunos e professores não permaneçam muito tempo naquelas condições;
– Recomendar a merenda com alimentos mais úmidos e leves, de fácil digestão;
– Recomendar aos alunos menores que tragam copos à escola;
– Criar oportunidade para que as crianças umedeçam as narinas e a face, pelo menos uma vez no período;
– Promover reuniões com os pais ou responsáveis, se possível com apoio de um médico ou agente de saúde dos organismos locais da Secretaria de Saúde, e orientá-los sobre procedimentos domiciliares para prevenção da desidratação;
– Manter elevada vigilância de higiene no ambiente escolar, pátios, sanitários e salas de aula;
– Umedecer diariamente, se possível, o piso das salas de aula e pátios cimentados ou cerâmicos;
– Acompanhar com maior atenção às crianças com aspectos de aparente desnutrição;
– Promover atividades educativas com alunos em torno do assunto “Desidratação”, ensinar sobre higiene pessoal do ambiente e dos alimentos e dar maior atenção aos procedimentos para amenizar os efeitos da baixa umidade do ar.
A Defesa Civil também orienta os brasilienses a adotarem os seguintes procedimentos a fim de minimizar os efeitos à saúde:
– Evitar aglomerações em ambientes;
– Aumentar a ingestão diária de líquidos, independentemente de apresentar sede ou não. Beber pelo menos seis copos d’água de tamanho médio;
– Evitar os banhos prolongados com água quente, bem como o uso excessivo de sabonete para não eliminar totalmente a oleosidade natural da pele;
– Pingar duas gotas de soro fisiológico em cada narina, pelo menos seis vezes ao dia. Esse procedimento evita o ressecamento nasal e a ocorrência de sangramento;
– Evitar ligar aparelhos de ar-condicionado, que retiram ainda mais a umidade do ambiente;
– Trajar roupas adequadas às condições do tempo. No calor, usar roupas leves e, se possível, de algodão;
– Fazer refeições leves, incluindo frutas e verduras sempre que possível;
– Evitar exercícios físicos entre 10h às 17h. Nesse período, a insolação e evaporação atingem seus índices máximos;
– Usar creme hidratante ou óleo vegetal em abundância para evitar o ressecamento da pele;
– Optar pelo uso de sombrinha ou guarda-chuva no período mais quente.
– Os pequenos merecem cuidados ainda mais especiais, pois têm a pele mais sensível e vulnerável. A hidratação é essencial, principalmente de dentro para fora com a ingestão de bastante líquido. Os pais precisam redobrar os cuidados para garantir que as crianças estejam sempre bem hidratadas.
– Os idosos, suscetíveis a problemas respiratórios, também exigem atenção.
No prazo de 72 horas, a Secretaria de Proteção e Defesa Civil divulgará avaliação quanto ao estado de atenção e a necessidade de novas medidas.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: