Defesa Civil lança campanha de prevenção às chuvas

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A Secretaria de Estado de Defesa Civil do
Distrito Federal iniciou neste sábado (24/09) o trabalho de prevenção às
chuvas para evitar que as cidades sofram com os prejuízos
provocados por esta estação. As chuvas começaram neste
final de semana, como previsto pelo Instituto Nacional de Meteorologia
(Inmet). O período de estiagem durou 107 dias consecutivos.

Com a mudança de estação (a primavera
começou na madrugada de quinta para sexta-feira), inicia-se também o
período de chuvas – compreendido entre outubro e abril – e algumas
precauções devem ser tomadas, especialmente para moradores de regiões em
situação de risco. A Secretaria de Defesa Civil iniciou,
no fim de semana, uma campanha de prevenção contra as chuvas.
Segundo o subsecretário
Sérgio Bezerra, o objetivo da campanha é informar toda a população do DF
para os cuidados que devem ser tomados antes e durante o período
chuvoso.
Um dos grandes problemas verificados nas
vistorias diárias da secretaria foi a relação da população com o lixo,
principal causador do entupimento de bueiros (bocas de lobo), o que
impede o escoamento da água da chuva, causando alagamentos e erosões. 
Para evitar possíveis transtornos, a
Defesa Civil recomenda os seguintes cuidados que devem
ser levados em conta:
Cuidados antes do início das chuvas
·         Providencie a poda ou corte de árvores próximas a
residências, com risco de queda. (procure a administração regional);
·         Conserte as falhas no telhado e reforce a fixação
renovando pregos e madeiras;
·         Faça uma revisão em toda a fiação elétrica;
·         Não acumule lixo nem entulhos nas ruas. Com a chuva, há o
entupimento dos bueiros, mais conhecidos como bocas de lobo,
contribuindo com o processo de alagamento.
Cuidados durante o período chuvoso
·         Se o nível da água estiver subindo próximo a residência, o
morador deverá deslocar-se com sua família para um lugar seguro com
relevo mais alto;
·         Se estiver ao ar livre, procure um abrigo seguro, longe
de árvores. Elas atraem raios e seus galhos podem cair. Evite acidentes;
·         Não use equipamentos elétricos que tenham sido molhados,
ou que estejam em locais inundados, pois há risco de choque elétrico e
curto-circuito;
·         Cuidado com água que for beber. Veja se não foi
contaminada pela inundação, o que traz sérios riscos à sua saúde.
Procure utilizar água potável de boa procedência.
Como se proteger dos raios
Estima-se que o Brasil seja campeão
mundial de descargas elétricas (raios), considerado bastante comum na
região do Distrito Federal. Portanto:
·         Evite lugares abertos em dias chuvosos (campos de
futebol, pastos, etc.) e fique longe de objetos altos (árvores, postes,
quiosques e caixas d’água), metálicos (cercas de arame, tratores,
postes, escadas) e isolantes (postes de energia e coberturas de metal);
·         Ao notar o tempo fechado, com propensão a relâmpagos,
evite andar de bicicletas, a cavalo ou de moto. Nestas circunstâncias,
não é recomendável soltar pipas ou carregar varas de pesca;
·         Se não encontrar abrigo por perto, fique agachado em um
ponto seguro até a tempestade passar;
·         Em casa, antes da tempestade, desligue os aparelhos
domésticos da tomada e evite usar o telefone. Afaste-se de janelas,
torneiras, canos elétricos. Evite andar descalço ou evite tomar banho
neste período;
·         Lembre-se: um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar, e
pode ser fatal.
Alguns lugares são extremamente
perigosos durante uma tempestade. Por isso:
·         Não permaneça em áreas abertas, como campos de futebol,
quadras de tênis e estacionamento;
·         Não fique no alto de morros ou no topo de prédios;
·         Não se aproxime de cercas de arame, varais metálicos,
linhas aéreas e trilhos;
·         Nunca se abrigue debaixo de árvores isoladas.
Áreas de risco
A Defesa Civil do Distrito Federal chama a
atenção também dos moradores de áreas de risco para os perigos
decorrentes do período chuvoso. Atualmente, existem cerca de 1.740
pessoas, distribuídas em 25 áreas consideradas de risco, em dez cidades, por estarem localizadas em
solo arenoso, argiloso ou próximos a encostas ou à beira de rios.
Apesar da diminuição no número de locais
ameaçados, a população precisa ser alertada sobre os perigos da época.
Estes locais de risco foram ocupados irregularmente em pontos já
propícios à erosão do solo, causado por construções não planejadas.
O órgão realiza também o constante
monitoramento dos locais, averiguando a iminência do perigo e o
crescimento dos riscos. Além disso, informa tanto os moradores quanto o
governo sobre o que pode ser feito nas regiões.
Dicas úteis
Como prevenir-se das chuvas nas áreas de risco:
·         Evitar
os cortes verticais do talude (terra);
·         Evitar
a plantação de bananeiras (planta pesada e de raiz superficial) nas
encostas, dando preferência às plantas mais leves e de raízes profundas,
como o bambu;
·         Não
jogar lixo nas encostas, córregos e bocas de lobo;
·         Construir
calhas nos telhados, conservando-os limpos;
·         Construir
canaletas no chão para direcionar a água;
·         Manter
limpos os ralos, esgotos, galerias, valas, etc;
·         Aterrar
buracos que acumulam água;
·         Reforçar
muros e paredes poucos confiáveis;
·         Providenciar
a poda ou o corte de árvores com risco de queda;
·         Incentivar
a criação de grupos de cooperação entre os moradores em locais de
risco.

Confira ainda os locais de maior
risco no DF apontados pela Defesa Civil
Cidade/Local
Ameaça/Risco
Problemas
Núcleo Bandeirante / Vila CahuyInundações; alagamentos; vendavais;
doenças causadas por água contaminada e por lixo. Aparecimento de
roedores e assoreamentos de córregos.

Risco: Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais
  2. Falta de Saneamento básico
  3. Lixo
  4. Esgoto a céu aberto
  5. Estrutura precária das casas
  6. Má fixação dos telhados das casas
Varjão / Assentamento próximo a
quadra 11
Desabamento; incêndios em
residências; doenças causadas por água contaminada e por lixo;
contaminação do Córrego Varjão; enxurrada e alagamentos.

Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais
  2. Falta de Saneamento básico
  3. Lixo
  4. Esgoto a céu aberto
  5. Estrutura precária das casas
  6. Má fixação dos telhados das casas
Sobradinho II / Queima Lençol –
Fercal
Desabamento; incêndios em
residências; doenças causadas por água contaminada e por lixo;
enxurradas e alagamentos.

Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais
  2. Falta de Saneamento básico
  3. Lixo
  4. Esgoto a céu aberto
  5. Estrutura precária das casas
  6. Má fixação dos telhados das casas
  7. Casas em encostas com mais de 45°
    de inclinação
Sobradinho II / Alto Bela Visita –
Fercal
Desabamento; incêndios em
residências; Vendavais.

Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais
  2. Falta de Saneamento básico
  3. Lixo
  4. Esgoto a céu aberto
  5. Estrutura precária das casas
  6. Má fixação dos telhados das
    casas.
  7. Casas em encostas com mais de 45°
    de inclinação
Sobradinho II / Vila Rabelo IIDesabamento; Incêndios em
residências; doenças causadas por água contaminada e por lixo;
Enxurradas.

Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais
  2. Falta de Saneamento básico
  3. Lixo
  4. Esgoto a céu aberto
  5. Estrutura precária das casas
  6. Má fixação dos telhados das
    casas.
  7. Casas em encostas com mais de 45°
    de inclinação
Ceilândia / Condomínio PrivêAssoreamento do córrego; avanço da
erosão contra as moradias do Condomínio.

Risco: Alta
1.       Falta de drenagem de águas pluviais
2.       Lixo
3.       Assoreamento de Córrego
4.       Casa a 50 metros de erosão
Ceilândia / Chácara CachoeirinhaAbertura de Erosão; Enxurradas;
Alagamento de residências.

Risco: Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento Básico;
  3. Esgoto a céu aberto;
  4. Estrutura precária das casas
  5. Lixo
  6. Má fixação do telhado das casas
  7. Casa a menos de 20 metros de
    erosão
Ceilândia / Vila Madureira Avanço de erosão contra as moradias;
enxurradas; doenças por lixo e água contaminada; incêndio em
residência.

Risco: Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento Básico;
  3. Esgoto a céu aberto;
  4. Estrutura precária das casas
  5. Lixo
  6. Má fixação do telhado das casas
  7. Casa a menos de 20 metros de
    erosão

Ceilândia / Condomínio Pôr do SolNovos invasores
Risco: Médio
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Lixo
  3. Necessidade de fiscalização para
    evitar novas invasões

Riacho Fundo I / Comunidade
Matadouro
Desabamento; enxurradas;
Contaminação por lixo e água contaminada; incêndio em residências.

Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento Básico;
  3. Esgoto a céu aberto;
  4. Estrutura precária das casas
  5. Lixo
  6. Má fixação do telhado das casas
  7. Casa a menos de 30 metros de
    córrego

Riacho Fundo I / Parque Ecológico e
Vivencial do Riacho Fundo I
Aumento de Erosão.
Risco: Alto
  1. Problemas de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Lixo
Recanto das Emas / Fazenda MonjoloContaminação do solo; do lençol
freático e do córrego Monjolo; Doenças causadas por águas contaminadas e
por lixo; Vendavais e Desabamento.

Risco: Médio
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento Básico;
  3. Esgoto a céu aberto;
  4. Estrutura precária das casas
  5. Lixo
  6. Má fixação do telhado das casas

Itapoã / ItapoãInundações e Alagamentos
Risco: Alto
  1. O sistema de águas pluviais não
    está pronto
Vicente Pires / Vila São JoséErosão, Desabamento
Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento básico;
  3. Lixo;
  4. Esgoto a céu aberto;
  5. Casa a menos de 10 metros de
    erosão
Vicente Pires / Quadras 148 e 149Erosão e Desabamento.
Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento básico;
  3. Lixo;
  4. Esgoto a céu aberto;
  5. Casa a menos de 10 metros de
    erosão;
  6. Difícil acesso para CBMDF
Vicente Pires / Córrego Samambaia,
próximo as ruas 8 e 9. Ponto 1
Erosão; Desabamento; dano ambiental;
Doenças causadas por lixo e entulhos.

Risco: Muito Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento básico;
  3. Lixo;
  4. Esgoto a céu aberto;
  5. Casa a menos de 10 metros de
    erosão;
  6. Difícil acesso para CBMDF;
  7. Lixo e esgoto são jogados no
    córrego
Vicente Pires / Córrego Samambaia,
próximo as ruas 8 e 9. Ponto 4
Erosão; Desabamento; dano ambiental;
Doenças causadas por lixo e entulhos.

Risco: Alto
  1. Falta de drenagem de águas
    pluviais;
  2. Falta de Saneamento básico;
  3. Lixo;
  4. Esgoto a céu aberto;
  5. Casa a menos de 10 metros de
    erosão;
  6. Difícil acesso para CBMDF;

Lixo e esgoto são jogados no córrego

Vicente Pires / Rua 8Erosão; Enxurradas; Danos ao
Patrimônio Público; Queda de árvores; Disseminação de doenças.

Risco: Alto
  1. Falta de Drenagem de águas
    pluviais;
  2. Comprometimento do asfalto;
  3. Abertura de erosões;
  4.  Lixo
  5. Entulhos;
  6. Comprometimento de acesso aos
    condomínios;
  7. Raízes de árvores
Vicente Pires / Rua 10Erosão; Enxurradas; Danos ao
Patrimônio Público; Queda de árvores; Disseminação de doenças.

Risco: Alto
  1. Falta de Drenagem de águas
    pluviais;
  2. Comprometimento do asfalto;
  3. Abertura de erosões;
  4.  Lixo
  5. Entulhos;
  6. Comprometimento de acesso aos
    condomínios;
  7. Raízes de árvores
Vicente Pires / Chácaras
127/151/181/185
Ameaça de inundações; Alagamentos e
desabamento; ameaça de disseminação de doenças; ameaça à atuação dos
CBMDF; ameaça de choque e curto circuito.

Risco: Alta
Arniqueiras / Córrego Vereda da Cruz
Arniqueiras Veredas Grandes
Ameaças de inundações; Alagamento e
desabamento; ameaça de disseminação de doenças.

Risco: Muito Alto

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: