Delegado acusa Deputado Raad e denuncia “show de ilegalidades”

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Denúncias reforçadas. O delegado da Polícia Civil Flamarion Vidal Araújo afirmou nesta terça-feira (13), em depoimento na Comissão de Ética da Câmara Legislativa, que o deputado Raad Massouh (PPL) teria participado de vários crimes em relação ao processo de contratação da empresa MCM Produções, pela Administração de Sobradinho. Flamarion presidiu na Delegacia de Crimes o inquérito que apurou desvio de recursos públicos na aplicação de emenda parlamentar de R$ 100 mil para a realização de evento festivo em Sobradinho.

“O processo  todo foi um show de horrores e ilegalidades”, enfatizou o delegado. Ele disse aos membros da comissão que  no inquérito está comprovado, por depoimentos e provas documentais, que o projeto básico para a dispensa de licitação foi feito dentro da Administração Regional pela própria empresa contratada. E que também se apurou o recebimento indevido de R$ 47 mil pela presidente de um sindicato rural em Sobradinho, conhecida por Maria Inez, quem teria admitido o fato.
O delegado também afirmou que os próprios músicos das bandas contratadas confirmaram não ter recebido as quantias previstas no processo.  Além disso, disse que o evento fora realizado de forma ilícita, às vésperas das eleições de 2010 e que o distrital Raad teria discursado em palanque, no restaurante Trem da Serra. “O evento seria destinado a 10 mil pessoas, mas no local não deveria ter nem 200 pessoas”, avaliou, garantindo que  no inquérito estão anexadas muitas fotografias do evento.
Flamarion lamentou não ter podido concluir o inquérito na Polícia Civil, porque fora transferido para a Delegacia de São Sebastião. A apuração seguiu no âmbito do Ministério Público, segundo lembrou. Ele não quis comentar se julgava sua transferência uma medida de retaliação política, mas garantiu aos distritais que numa das conversas telefônicas gravadas com autorização judicial o deputado Raad “comemorou” sua saída do processo de investigação, comentando ter tido “sorte” pela transferência do delegado.
Flamarion relatou, também, que Raad afirmou em telefonema já ter conversado sobre o caso com o governador Agnelo, afirmando ter recebido do líder do Executivo a garantia de que o processo não seguiria em frente. O delegado ainda acusou Raad de movimentar valores financeiros, inclusive dólares, bem acima da renda declarada, conforme diálogos gravados entre ele e alguns assessores.  E sustentou que, segundo denúncia do ex-administrador Carlos Barros, o distrital  teria solicitado que  Barros registrasse imóvel de sua propriedade  em seu nome, alegando “falta de tempo”.
Em outro depoimento à Comissão de Ética, o ex-servidor da  Administração Regional de Sobradinho Jorge Soares Rocha admitiu ter assinado como executor de contrato o processo para a realização do evento, sem conhecimento de nada que estava sendo contratado. “Foi o Carlinhos Muriçoca que me trouxe o processo e falou que era para eu assinar. E eu assinei”, afirmou, confirmando aos distritais que não teria condições técnicas de redigir aquele processo pois, embora exercendo o cargo de gerente de agricultura, só teria estudado até a 5ª série do primeiro grau.
Ao se dizer arrependido por ter assinado a documentação do processo de contratação do evento, o ex-servidor alegou ter tido prejuízo financeiro ao exercer aquele cargo por cerca de dois anos, por indicação do ex-deputado Raimundo Ribeiro, mantida por Raad. “Eu sou treinador de cavalos e não quero mais saber de cargo nenhum”, desabafou, reclamando de “constrangimentos” enfrentados depois das denúncias contra o distrital.
No terceiro depoimento do dia, o advogado e servidor público Eufrásio Pereira da Silva, indicado pela defesa do distrital, disse que era amigo pessoal de Raad e do ex- administrador de Sobradinho, Carlos Barros, e que acreditava na honestidade de ambos. Ele admitiu ter dois filhos trabalhando no governo, por indicação de Raad, e garantiu que, como um dos organizadores da Via Sacra de Sobradinho, não constatou nenhuma irregularidade na tramitação de emenda parlamentar.
Raad x administrador – O presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, deputado Dr. Michel (PEN), anunciou para amanhã (quarta-feira), a partir das 14h, os depoimentos do ex-administrador de Sobradinho, Carlos Barros, e do deputado Raad, que pediu para ser ouvido pelos colegas.  A divulgação do relatório pelo deputado Joe Valle (PSB) está prevista para o próximo dia 21. Se acatada, a denúncia de quebra de decoro parlamentar será encaminhada ao plenário, para deliberação.
Zildenor Ferreira Dourado – Coordenadoria de Comunicação Social

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: