Dengue: Cuidado! Maior aumento ocorreu em Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
No Distrito Federal, por dia, uma média de 32 pessoas teve uma confirmação: contraiu dengue. É o que mostra o balanço da Secretaria de Saúde, que contabiliza 8.534 casos da doença ao longo do ano.  Deste total, em pelo menos 6.504 a transmissão ocorreu na capital. Os dados representam um cenário alarmante: houve aumento de 1.165% dos casos em relação a 2012.

Em meio a quadros diferentes, a situação de 21 pacientes foi considerada grave, e nove morreram. Ou seja, neste grupo, a taxa de letalidade foi de 42,85%.  

O ciclo da doença viral e o leque de tipos criam uma variação grande de pessoas que ficam  vulneráveis à doença. É o que explica o médico epidemiologista do Hospital Universitário (HUB), José Evoide de Moura Junior. “O quarto tipo do virus foi introduzido no Brasil recentemente. Por isso, as pessoas estão mais expostas a ele. A maior dificuldade é que não existe um tratamento específico para a dengue,  só um suporte para tratar os sintomas. Assim, existe a possibilidade da evolução ao óbito”, esclarece. Moura reforça que a prevenção à doença é essencial e começa em casa.
Diagnóstico
Mas  nem sempre fazer a sua parte é o suficiente. Apesar de manter a própria casa limpa, o estudante Phelipe Pacheco, 23 anos, foi mais um a ser diagnosticado com dengue. Ele acredita que a transmissão tenha ocorrido na chácara de um amigo, no Lago Oeste.
“Assim que eu voltei de lá,  passei mal e a minha namorada me falou que tinha matado um mosquito da dengue. A casa em si é muito bem cuidada,  mas tem muito terreno baldio em volta”, relata. 
Para ele, o pior sintoma foi a indisposição. “Parecia que tinha sido atropelado por um caminhão. Fiquei muito fraco, de não ter forças para sair da cama  nem para pensar direito”, conta. Phelipe contraiu um dos tipos menos graves da doença. Nos casos mais graves, como a dengue hemorrágica, além de sintomas como febre e vermelhidão, há também  sangramento.
Maior aumento ocorreu em Ceilândia


O DF está com uma média de 605,40 casos de dengue por 100 mil habitantes neste ano, número avaliado como de alto risco. Nove regiões administrativas são avaliadas com risco médio. 

Entre estas áreas mais críticas, a que contabiliza o maior aumento em casos notificados desde 2012 é Ceilândia, local onde Andreia Gil Santiago, 42 anos, foi picada pelo mosquito da dengue em novembro do ano passado. “Tenho quase certeza que peguei no local de trabalho porque me lembro do dia em que estava sentada e um mosquito me picou na perna. Comecei a me incomodar com uma indisposição terrível um tempo depois”, conta a servidora pública que trabalha no Shopping Popular de Ceilândia.
Procurada pela reportagem, a Secretária de Saúde disse que comentaria o caso apenas após o lançamento de um plano de prevenção à doença, que ocorrerá na manhã de hoje.
Cuidados

A melhor forma de evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água parada, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença.

Não deixe por aí itens como latas, embalagens diversas, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus, vasos de plantas, garrafas e  sacos plásticos – tudo pode acumular água.
Também é preciso se certificar de que  caixas d’água e cisternas estão bem fechadas.
Números
21 pacientes contraíram dengue em sua forma mais grave
9 pessoas morreram da doença neste ano
6,5 mil pacientes contraíram a doença no Distrito Federal



Informou Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: