Denúncia do Blog do Protázio sobre alagamento no restaurante comunitário de Ceilândia repercute na mídia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Um vídeo publicado na semana passada no Blog do Protázio mostrou uma situação inusitada no Restaurante Comunitário de Ceilândia. As imagens registraram funcionários trabalhando com guarda-chuvas na cozinha do local. Muita água caía do telhado, escorria pelas paredes e se acumulava no chão. Um funcionário atravessava o ambiente se protegendo com uma panela na cabeça. A postagem é do dia 20 deste mês. No geral, os frequentadores entrevistados pelo Correio não reclamaram da qualidade das refeições, mas apontaram outros problemas no local.



A cena foi extrema, mas a água parece ser presença frequente no Restaurante Comunitário de Ceilândia. No caso do vídeo, a Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda (Sedest) , responsável pela administração das 13 unidades que oferecem refeições à população carente por R$ 1 cada, explicou que um cano se rompeu. A pasta enviou uma equipe de manutenção ao local no mesmo dia e realizou os reparos necessários, de acordo com informações da assessoria de imprensa. O restaurante de Ceilândia oferece, em média, 3 mil refeições diárias.

No entanto, as goteiras parecem não ser exceção. O rodoviário André Luís Lopes, 37 anos, por exemplo, senta-se sempre na mesma área, na região central do comunitário. “Há dois pontos em que sempre tem goteira. Então, eu almoço no meio. No meio do restaurante e entre as goteiras”, ironiza. Ele vai ao local às segundas, terças e quintas, quando está na cidade. “É visível que há infiltração. Ali na fachada já começa”, diz. Em relação à comida André não tem reclamações. Mas evita usar o banheiro das dependências por considerar pouco higiênico. “Era bom que cuidassem mais dos banheiros. É algo que precisa ser mais limpo”, afirma.
Auxiliar de dentista, Ana Cláudia dos Santos, 32 anos, também confirma a presença das infiltrações. “Ali na porta tem um balde onde cai a goteira todos os dias. Hoje, eles tiraram, mas me preocupa porque cai bem em cima da fiação”, observa. Outra queixa é em relação ao atendimento e à organização. “A fila é imensa. Somos todos trabalhadores. Eu, por exemplo, tenho 1h30 de almoço. Perco bastante disso na espera”, reclama Ana Cláudia.
A denúncia do Blog do Protázio foi publicada no Blogs e jornais de grande circulação do DF.
Correio Web, com adaptação.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: