Deputado Wellington Luiz denuncia ação de promotores do Gama

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Deputado Wellington Luiz (PSC) / foto: Google Imagens

Uma ação de três promotores de Gama chamou a atenção do deputado Wellington Luiz (PSC) e de entidades de classe da PCDF como o Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol), o Sindicato dos Delegados do DF (Sindepo) e a Associação dos Delegados do DF (Adepol). Esses promotores colocaram supostos bandidos em liberdade, prejudicando a ação da Polícia Civil do DF.
Em tese, de comum acordo, esses servidores do Ministério Público causaram prejuízo em investigações conduzidas pela Delegacia de Repressão a Furto de Veículos (DRFV), de modo que colocaram em liberdade, um grupo de assaltantes que vinha agindo no DF, subtraindo veículos e encaminhando-os para outros estados. A quadrilha, muito bem organizada e com poder aquisitivo altíssimo, foi beneficiada por uma sequência de atos por parte do Ministério Público.
Diante do absurdo, o deputado utilizou a tribuna da Câmara Legislativa, para denunciar a ação desses promotores, uma vez que começaram a se declarar contrários às investigações, abandonando seu dever de ofício para que a quadrilha continuasse presa e pudesse ser oferecida a denúncia à justiça o mais breve possível
Em seu discurso, o deputado afirmou que a juíza, ao se manifestar, disse que colocava em liberdade os suspeitos dos crimes, em razão da inoperância e descaso do próprio Ministério Público com o fato. Com isso, houve exaurimento de prazo de modo que os suspeitos foram colocados em liberdade.
“Veja o que disse a juíza em seu despacho: … No decorrer das investigações, esta autoridade judiciária, mesmo diante de eventuais discordâncias do Ministério Público, deferiu interceptações telefônicas, quebra de sigilo de dados e prisão dos envolvidos. Em razão da decretação da prisão preventiva dos investigados, o Promotor de Justiça Edmar Carmo da Silva impetrou habeas corpus em benefício dos presos, um dos quais com extensa folha penal, inclusive com condenações contra si, ao qual foi rejeitado por unanimidade pelo TJDFT, inclusive com parecer do Ministério Público atuante na 2ª instância, pela denegação da ordem”, leu Wellington em Plenário.
Dando continuidade à leitura, o parlamentar acrescentou ainda: “Todos os esforços desta Juíza foram envidados para a realização do ato, mas o próprio Ministério Público acabou por ensejar, por sua exclusiva ação ou omissão, a caracterização do excesso de prazo, pois já não haverá mais tempo hábil para a renovação do ato, no prazo legal”.
Wellington lamentou a ação dos promotores e finalizou seu discurso dizendo: “Espero que esta Casa e a sociedade de Brasília dêem uma resposta, que nós cobremos do Ministério Público e do Conselho Nacional do Ministério Público, que é um órgão sério, para que tome providências rigorosas contra esses promotores, ou então Brasília pagará um preço muito caro”.
RECLAMAÇÃO DISCIPLINAR – Com apoio do deputado Wellington Luiz, o Sinpol, Sindepo e Adepol entram com reclamação disciplinar junto à corregedoria do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) denunciando a ação dos promotores. Eles entendem que os atos cometidos pelos promotores decorreram de uma ação pré-ordenada ou de uma omissão, uma vez que pessoas dedicadas ao cometimento de crime foram colocadas em liberdade, sendo que se houvessem agindo em tempo, ainda estariam na cadeia. Além disso, não foi dado continuidade ao sequestro de centenas de milhares de Reais disponíveis nas contas bancárias dessas pessoas, provavelmente oriundas dos fatos delituosos.
Fonte: CLDF/Blog do Donny

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: