DF é condenado a reconstruir escola em Taguatinga

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Após ação civil pública ajuizada pela Promotoria de Justiça de Defesa da Educação (Proeduc), a 6ª Vara de Fazenda Pública determinou que Distrito Federal promova a reforma da Escola Classe 46 de Taguatinga. O Ministério Público demonstrou, por meio de laudos técnicos, que a situação da unidade de ensino é precária e coloca em risco toda a comunidade escolar, comprometendo a segurança e a qualidade do ensino. A decisão é de 21 de setembro.
Na sentença, o juiz destacou que “fazer obras de manutenção e reforma nas escolas para que os alunos tenham condições razoáveis de aprendizado é obrigação imposta pela Constituição a todo administrador e que a discricionariedade não pode servir para o administrador escolher se cumpre ou não a Constituição”. De acordo com a decisão, o Distrito Federal deve adequar a escola aos padrões adotados pela Secretaria de Educação para as demais unidades da rede pública, utilizando toda área destinada à instituição. O governo terá o prazo de até um ano para promover a reforma, a contar do trânsito em julgado, sob pena de multa diária de R$ 5 mil.
As promotoras de Justiça de Defesa da Educação, Márcia da Rocha e Cátia Gisele Vergara, esperam que o Distrito Federal se sensibilize com a situação enfrentada pela escola. “Ao contrário do que vem acontecendo nos últimos anos, esperamos que sejam adotadas as medidas cabíveis para garantir um espaço físico digno e um ambiente propício ao aprendizado, contrariando a praxe do ente federado que é a utilização de todos os recursos possíveis apenas para protelar a execução das políticas públicas essenciais”, destacam.
Risco aos alunos
Após cinco anos de tratativas, em setembro de 2014, a Proeduc ajuizou ação civil pública para que a Justiça obrigasse o Distrito Federal a reconstruir a Escola Classe 46. A Promotoria apurou que as instalações da escola estariam em estado precário, com problemas estruturais, inclusive a falta de uma área destinada às aulas de Educação Física, o que expõe professores e alunos a risco. Também foram verificadas outras irregularidades, como falta de acessibilidade, entulho nas imediações da escola e infiltrações, com risco de choques e incêndio no local.
*Informações MPDFT

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: