DF registra 14 assassinatos no feriadão.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

O Distrito Federal volta a entrar em alerta. A polícia registrou 14 homicídios no feriado prolongado, sendo sete em Ceilândia. A maioria dos casos sustenta a convicção das autoridades de segurança de que os  envolvidos, em geral, são jovens e com histórico de uso ou tráfico de drogas.

 
Na madrugada de segunda-feira, um adolescente de 17 anos morreu na QNM 21 e um homem ficou ferido na QNN 11. A.A.S., 31 anos, está em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Ceilândia (HRC).


 Por volta das 16h30 de ontem, um rapaz de 19 anos estava na porta de casa com a mãe e a irmã quando foi surpreendido por vários disparos. Segundo o sargento Bonina, da Polícia Militar (PM), a morte foi resultado de briga de gangues. “O suspeito foi até em casa para trocar de roupa e voltou para o local, onde foi reconhecido e preso”, afirmou.
De acordo com Paulo Martinelli,  delegado de plantão da 15ª Delegacia de Polícia, onde os três casos foram registrados, há várias linhas de investigação sobre os dois primeiros casos. “A polícia está apurando para saber os motivos dos crimes”, afirmou. Segundo ele, o adolescente que morreu tinha passagens pela polícia por crimes análogos a roubo e tráfico de drogas. “Pelas informações obtidas, as duas vítimas eram usuárias de drogas. Mas só pelo resultado das investigações é que vamos saber o real motivo das mortes”, explicou.
 Brutalidade
Na manhã de domingo, um homem de 36 anos foi brutalmente assassinado com várias facadas pelo corpo no Condomínio Sol Nascente, em Ceilândia. De acordo com informações de agentes da 19ª DP, E.M.S., 36 anos, trabalhava e residia no centro de captação de materiais para reciclagem quando foi morto. A polícia informou que conhecidos da vítima afirmaram que ele era usuário de drogas e bebia frequentemente.
No Paranoá, um homem de 20 anos degolou a ex-namorada de 23,   na madrugada de domingo. De acordo com a polícia, o rapaz estaria inconformado com o fim do relacionamento  e teria ameaçado a vítima algumas vezes. Isso a levou a registrar queixa na Polícia Civil. Um mandado, estabelecendo que o ex-namorado deveria se manter a uma distância mínima de  200 metros da vítima chegou a ser expedido, mas não adiantou.
Do Blog Ronda Policial

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: