DF registra uma média de 52 assaltos por dia

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

“Você quer morrer ou prefere que seu filho morra no seu lugar?” A pergunta foi ouvida por uma vítima de assalto a mão armada, abordada por dois homens que invadiram sua casa, no Lago Sul, no último dia 14.

O caso engrossa as estatísticas deste ano, que, até junho, já registrava 9,4 mil roubos a residências e pedestres no Distrito Federal, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF). Isso dá uma média de 52 casos por dia e, aproximadamente, dois por hora. O quadro causa temor à população e preocupa especialistas da área de segurança, principalmente porque nesta época do ano, o índice costuma ser maior devido às férias. 

O modo como os bandidos agem assusta. “Eu estava na varanda com uma amiga quando surgiram dois indivíduos armados, anunciando o assalto”, contou a vítima assaltada no Lago Sul. As cenas seguintes, segundo o morador, foram de terror. “Amarraram  minha amiga na beira da piscina e me levaram até o cofre. Retiraram tudo o que eu tinha e me deram uma coronhada na cabeça”, conta o homem, que prefere não ser identificado.
Dano emocional
Em meio aos momentos de tensão, ele destaca que só pensava na segurança do filho, de três anos, e da mãe, de 77 anos, que estavam sob o poder de um dos criminosos. “O meu maior medo era ouvir um tiro. Eles chegaram a dar até uma coronhada na minha mãe e  ameaçaram meu filho com arma”, frisa.
Além dos expressivos prejuízos financeiros, já que os criminosos levaram  50 mil dólares, uma quantia em euro, dois celulares e um relógio, ele afirma que o maior dano é emocional. “O trauma fica. Fecho os olhos e o filme vem à mente”, observa.
Após o ocorrido, ele garante que pretende investir ainda mais na segurança. “Já me preocupava com isso. Agora quero o que o mercado tem de mais moderno.”
Quando o medo rouba a cena…
Há duas semanas, a servidora pública Selma Guimarães, 52 anos, também foi vítima da ação de criminosos. Ela conta que o medo se tornou seu companheiro desde que foi ameaçada com uma arma de fogo por um assaltante que a rendeu dentro de seu veículo, no estacionamento de uma academia no Sudoeste. “Como o fluxo perto da academia é alto, acabo levando um tempo maior para conseguir sair do estacionamento. Foi exatamente nessa hora, enquanto contornava, que ele anunciou o assalto”, conta. “Ele me jogou bruscamente para fora do carro, mandou eu não gritar e me ameaçou. Além do próprio veículo, também roubou objetos pessoais de alto valor, como tablet, relógio e 450 dólares”, assegura.
Selma fez boletim de ocorrência, mas até o momento, mas o suspeito nem o veículo foram capturados. “Os meus dias têm sido de muita apreensão. Nunca fui medrosa, nem os momentos ruins que vivi fizeram com que eu enxergasse risco em tudo”, desabafa.
Segundo a vítima, o problema da falta de segurança envolve vários setores. “A própria academia tem a sua parcela de responsabilidade. Afinal, a partir do momento em que ela presta o serviço, deve oferecer segurança aos alunos. Por outro lado, existe a responsabilidade do Estado nesse cenário”, opina. Indignada, ela diz que é um absurdo essa situação.
Dez minutos com uma arma na cabeça
O caso mais recente de assalto a comércio ocorreu no início da semana, em uma padaria no Sudoeste. Três homens entraram no estabelecimento nas primeiras horas da manhã. Estavam todos bem vestidos, um deles, inclusive, usava terno e gravata. Segundo o gerente da local, Renato Martins Fontoura, 35 anos, os criminosos demonstraram saber exatamente o que estavam fazendo. “Eles estavam firmes e seguros. Além disso, sabiam  onde era o cofre”, conta.
Durante todo o assalto, que durou dez minutos, Renato esteve na mira de uma pistola. “Eles falavam que seu errasse a senha do cofre ia morrer. Toda vez eu erro, mas graças a Deus dessa vez foi diferente, acertei de primeira”, conta. Ele destaca que a integridade dos funcionários foi sua maior preocupação durante o assalto. “Eu tinha muito medo de fazerem algo com eles, mas ainda bem que os preservaram. Mas quando estava com a arma apontada para a minha cabeça, não conseguia pensar em nada”, salienta.



Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: