DF Sem Miséria amplia número de beneficiados.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Decreto assinado pelo governador Agnelo implementará quatro programas

A transformação de vidas e realidades é o objetivo principal do Plano DF Sem Miséria, que ganhará quatro programas. O decreto para a regulamentação da Lei 4.737 foi assinado pelo governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. Hoje, são atendidas 99 mil famílias e a expectativa é beneficiar mais 4,7 mil pessoas que vivem em situação de pobreza e extrema pobreza.

“Queremos montar um pequeno exército para cuidar do nosso povo por meio do desenvolvimento de políticas públicas mais amplas. Esse é o maior compromisso do meu governo”, declarou o governador.
O DF Sem Miséria atua em três eixos: distribuição de renda, acesso a serviços públicos e inclusão social. Cada cidadão deve receber, no mínimo, R$ 70 por mês, pois, segundo a secretária-adjunta do Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome (MDS), Valéria Gonelli, essa é a forma mais eficiente de reduzir as desigualdades. “Os programas de transferência de renda constroem oportunidades para incluir socialmente as pessoas que vivem na extrema pobreza. E o resultado disso é uma sociedade participativa”, argumentou, durante a solenidade.
Na ocasião, a secretária elogiou as iniciativas do GDF. “Nem todos os estados mobilizam esforços para erradicar a pobreza. O DF disponibiliza recursos e desenvolve novos projetos para qualificar o cidadão e melhorar a qualidade de vida dessas famílias”, acrescentou. Também participaram da cerimônia, a primeira-dama, Ilza Queiroz, e o secretário de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda, Daniel Seidel.
Os quatro novos benefícios – O programa Agentes da Cidadania selecionará mil mobilizadores, em áreas consideradas vulneráveis, para identificar famílias que precisam fazer parte dos programas sociais. Além disso, vão ajudar na promoção de ações culturais e de inclusão social. A bolsa será de R$ 300, com duração de um ano.
Caminhos da Cidadania atenderá 2,6 mil adolescentes de 15 a 17 anos que estão nos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Coses), integrantes de famílias atendidas pelo Bolsa Família. O benefício será de R$ 190.
O Conexão Cidadã será voltado para a juventude das Unidades de Acolhimento, que sofre para ser reinserida na sociedade. Cada jovem receberá R$ 300, sendo que R$ 100 serão depositados em uma poupança que garantirá seu futuro. “Com o dinheiro, esses adolescentes terão condições de colocar em prática projetos de vida. Queremos incentivar o empreendedorismo, para que cada um tenha condições de buscar oportunidades no mercado”, explicou o secretário de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda, Daniel Seidel.
Já o Bolsa Alfabetização tem como público-alvo as 25 mil mães das famílias beneficiadas pelo programa Bolsa Família. “Como nossa meta é erradicar o analfabetismo no DF, não podemos esquecer essas mulheres. E estamos perto de alcançar esse objetivo”, argumentou Agnelo Queiroz.
Transformação – Linidelly Rocha Mendes, 19 anos, tinha uma vida difícil na Candangolândia. Há três anos, estava na escola, mas precisava complementar a renda da família. Descobriu, então, uma oportunidade que transformaria seu futuro. No mural da instituição de ensino, viu o programa Jovens do Futuro, que pagaria R$ 200 para os que participassem das reuniões que discutiam os conteúdos das salas de aula, além de conversar sobre questões como o preconceito.
“Sem acesso a essa bolsa não teria condições de me dedicar só aos estudos e nem teria descoberto minha vocação, que é ajudar as pessoas. Hoje, estou no terceiro semestre de Serviço Social na Universidade de Brasília (UnB)”, disse.
O estudante Renner da Silva Lopes, 17 anos, também se beneficiou com programas de distribuição de renda. O morador de Sobradinho acabou descobrindo sua vocação para o esporte. “Gostava mesmo era de futebol, mas meu professor me chamou para participar das corridas de rua, dentro do ProJovem, e gostei. Com o dinheiro da bolsa (R$ 190), ajudava minha família”, contou.

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: