Distrital contesta defesa dos colegas à prisão dos condenados no mensalão

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A deputada Celina Leão (PDT) usou o comunicado de parlamentares da sessão ordinária desta terça-feira (19) para rebater a defesa feita, por alguns parlamentares do Partido dos Trabalhadores – PT, aos mensaleiros condenados e presos na última sexta-feira (15), além dos ataques ao Ministro Joaquim Barbosa Presidente da Suprema Corte da Justiça no Brasil. “Estão confundindo preso político com político preso”, observou.

A parlamentar destacou que é jovem e acredita em uma mudança significativa para o Brasil. “Vivemos uma democracia, porque passamos por uma transformação, que precisa ser aceita pelas pessoas que ajudaram a construí-la. O maior esquema de corrupção do país, que desviou milhões é julgado e quando começa a sair cadeia os companheiros vem com essa defesa de que houve julgamento de exceção, ou questionar outros esquemas de corrupção e Demóstenes? Demóstenes tem que ir para cadeia e os outros casos de mensalão da mesma forma.  Essa política  velha está quebrando o nosso país, isso serve  para  todos os políticos verem, que pagar favores para votar projeto tem destino certo, a cadeia”, declarou.
Celina Leão lembra que os condenados tiveram direito a ampla defesa durante a tramitação do processo. “ Falar em perseguição política em uma corte onde oito dos onze ministros foram indicados por este governo é um absurdo, até os improváveis embargos infringentes foram solicitados e concedidos. Não há o que questionar! Talvez pela primeira vez estejamos tendo justiça em crimes desta natureza”, avaliou.
A deputada também discorreu sobre a criminalização da política, o que segundo a parlamentar, está ligado às velhas práticas. “Ou mudamos a nossa forma de fazer política ou a população acaba com a política” concluiu.

Informou Ascom Deputada Celina

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: