Dívida que se arrasta há 20 anos faz justiça penhorar terras de clã Roriz

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Empresa das três filhas do ex-governador do DF tem 50% de suas ações bloqueadas para o pagamento de promissórias devidas a comerciante goiano

Weslliane, Liliane e Jaqueline são sócias no empreendimento (Rose Brasil/Esp. CB/D.A Press - 3/2/06)
Weslliane, Liliane e Jaqueline são sócias no empreendimento
Cinquenta por cento das cotas da Empresa Agropecuária Palma Ltda. que pertencem a Weslliane Maria Roriz foram penhorados no último dia 8 por força de uma decisão judicial. O bloqueio desse bem visa garantir o pagamento de notas promissórias que, segundo a titular da 17ª Vara Cível do Distrito Federal, são devidas a um comerciante goiano.

Segundo o processo, há 20 anos ele vendeu a parentes da família Roriz caminhões e vasilhames próprios para o armazenamento de leite. Em 1995, os vendedores deram o primeiro passo de uma extensa novela judicial que se estende até hoje, alegando, desde sempre, o não pagamento dos bens. À época, o valor da causa era de R$ 926 mil. Hoje, os autores da ação esperam receber R$ 14,4 milhões.
É para quitar o compromisso de duas décadas que. há duas semanas. a Justiça autorizou a penhora de metade das cotas da Agropecuária Palma, que é o tesouro da família Roriz, cujo patriarca é Joaquim Roriz. A ação de execução da penhora de cotas da empresa atinge Weslliane Maria Roriz, filha mais velha do ex-governador. Ela foi avalista do marido, Júlio Henrique Almeida Neuls, na negociação com José Maria da Cunha. E, até essa altura do processo, a Justiça entendeu que a parte de Weslliane na Fazenda Palma é a que garante o acerto da dívida com o comerciante.
Lilian Tahan / Blog do Donny Silva

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: