Empresa investigada por lavagem de dinheiro recebe repasses de recursos públicos de parlamentares do DF e do GDF

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Suspeita de participar de um esquema milionário de lavagem de dinheiro e
captação de empréstimos fraudulentos no Banco do Brasil, a Realy Produções e
Eventos Ltda. foi beneficiada com diversos repasses de recursos públicos de
parlamentares do DF e do GDF. Investigada pela Operação Trick, da Polícia
Civil, a empresa recebeu R$ 14 mil da presidente da Câmara Legislativa, Celina
Leão (PDT); R$ 25,3 mil da vice-presidente da Casa, Liliane Roriz; R$ 45 mil do
deputado federal Augusto Carvalho (SD); e mais de R$ 300 mil do GDF no ano
passado. A firma teria prestado serviços de assessoria de Comunicação, produção
de vídeos e divulgação de atividades parlamentares.





A corporação solicitou à Justiça a quebra dos sigilos fiscal
e bancário de todas as companhias envolvidas no esquema, inclusive a Realy. São
74, no total. O inquérito policial revela que a Realy foi citada pelos
operadores do esquema em interceptações telefônicas. O Correio esteve no
endereço indicado nas notas fiscais emitidas pelos deputados, na 703 Norte. A
loja estava desocupada e disponível para aluguel. Os empresários se mudaram em
janeiro para o Setor Hoteleiro Norte.




No local, além da Realy, funciona a Social Play — enquanto a
primeira atua como produtora, a segunda trabalha como agência de comunicação.
Ambas prestam serviços à Câmara Legislativa, mas são pagas pelos gabinetes das
duas distritais. A Realy faz a transmissão ao vivo das sessões do Câmara em
Movimento. E a Social Play, o trabalho de assessoria de imprensa, com produção
de material de divulgação e vídeos. De acordo com o proprietário da Realy,
Rodrigo Maia, as empresas são parceiras e apenas a Realy fechou contrato com
deputados e repassou verbas à parceira. “É com extrema surpresa que recebo a
notícia de que a minha empresa foi citada na Trick. Em nenhum momento, fui
procurado ou notificado pela polícia, isso é uma novidade para mim”, afirma
Maia. Segundo ele, todos os serviços foram prestados. “Tudo ocorreu dentro da
legalidade.”


Correio Web

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: