Entorno do DF: Em greve policiais civis do Entorno fazem assembleia em Valparaíso.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os policiais civis do Estado de Goiás que atuam na região do Entorno do Distrito Federal estão em greve desde o dia 21 de outubro e vão fazer uma assembleia no começo da tarde desta quarta-feira (9/11) em Valparaíso. O encontro acontece a partir das 14h na sede do Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sinpol-GO). Segundo o presidente do Sinpol-GO, Silveira Alves, não há chances de a categoria deliberar o retorno às atividades hoje. “Nós iremos avaliar os resultados da greve, além de decidir o que será feito nos próximos dias”, disse Alves.

O presidente do sindicato afirmou que está marcada para esta quinta-feira uma reunião com o secretário de Segurança Pública de Goiás, João Furtado Neto, às 15h30, em Goiânia, cidade a cerca de 210 Km de Brasília. “Nossa categoria só vai voltar aos trabalhos após o governo atender às nossas reivindicações. A principal exigência que fazemos é a alteração na gratificação por localidade”, diz. O Sinpol-GO informou que ficou acertado entre a categoria e o governo de Goiás que o benefício, que hoje é de R$ 276, passaria a ser de R$ 552 em setembro e R$ 800 em janeiro. “No entanto, a primeira parte não foi cumprida, e agora queremos que sejam entregues os R$ 800”, afirmou o presidente.

Os policiais reivindicam ainda a realização de um novo concurso público para três mil vagas, mudanças no processo de promoção automática, aumento no piso em 65% (passaria a ser de R$ 9.600 mil) ou reajuste para R$ 6 mil de forma inicial.

A categoria programou para quinta-feira (10/11) a paralisação nas visitas aos detentos no presídio de Valparaíso. O banho de sol dos presos também deve ser suspenso. Além disso, haverá na sexta-feira (11/11) uma panfletagem na rodovia BR-040, que liga Brasília-DF ao Rio de Janeiro-RJ e passa por Belo Horizonte-MG. De acordo com Silveira Alves, durante a greve apenas 30% do efetivo vai trabalhar normalmente.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás informou que a reunião entre a categoria e o secretário João Furtado não está marcada na agenda.

A pasta afirma também que o Governo de Goiás vai reajustar a gratificação por localidade em 100%. Dessa forma, os policiais deixarão de ganhar R$ 276 e passarão a receber R$ 552, a partir de 1º de dezembro deste ano. A secretaria informou ainda que a partir de 1º de maio de 2012 a categoria receberá R$ 300 a mais, totalizando R$ 852 no benefício. No entanto, esta diferença estará condicionada ao desempenho profissional dos trabalhadores. Serão atendidos os servidores das polícias Militar e Civil, Instituto de Medicina Legal (IML) e da agência prisional.

Por meio da assessoria de imprensa, a secretaria informou que o titular, João Furtado, vai ter uma reunião às 16h desta quarta-feira com o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Giusepe Vecci, para discutir a realização de concurso público para policiais civis e militares na região do Entorno.


Do COs policiais civis do Estado de Goiás que atuam na região do Entorno do Distrito Federal estão em greve desde o dia 21 de outubro e vão fazer uma assembleia no começo da tarde desta quarta-feira (9/11) em Valparaíso. O encontro acontece a partir das 14h na sede do Sindicato dos Policiais Civis de Goiás (Sinpol-GO). Segundo o presidente do Sinpol-GO, Silveira Alves, não há chances de a categoria deliberar o retorno às atividades hoje. “Nós iremos avaliar os resultados da greve, além de decidir o que será feito nos próximos dias”, disse Alves.

O presidente do sindicato afirmou que está marcada para esta quinta-feira uma reunião com o secretário de Segurança Pública de Goiás, João Furtado Neto, às 15h30, em Goiânia, cidade a cerca de 210 Km de Brasília. “Nossa categoria só vai voltar aos trabalhos após o governo atender às nossas reivindicações. A principal exigência que fazemos é a alteração na gratificação por localidade”, diz. O Sinpol-GO informou que ficou acertado entre a categoria e o governo de Goiás que o benefício, que hoje é de R$ 276, passaria a ser de R$ 552 em setembro e R$ 800 em janeiro. “No entanto, a primeira parte não foi cumprida, e agora queremos que sejam entregues os R$ 800”, afirmou o presidente.

Os policiais reivindicam ainda a realização de um novo concurso público para três mil vagas, mudanças no processo de promoção automática, aumento no piso em 65% (passaria a ser de R$ 9.600 mil) ou reajuste para R$ 6 mil de forma inicial.

A categoria programou para quinta-feira (10/11) a paralisação nas visitas aos detentos no presídio de Valparaíso. O banho de sol dos presos também deve ser suspenso. Além disso, haverá na sexta-feira (11/11) uma panfletagem na rodovia BR-040, que liga Brasília-DF ao Rio de Janeiro-RJ e passa por Belo Horizonte-MG. De acordo com Silveira Alves, durante a greve apenas 30% do efetivo vai trabalhar normalmente.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás informou que a reunião entre a categoria e o secretário João Furtado não está marcada na agenda.

A pasta afirma também que o Governo de Goiás vai reajustar a gratificação por localidade em 100%. Dessa forma, os policiais deixarão de ganhar R$ 276 e passarão a receber R$ 552, a partir de 1º de dezembro deste ano. A secretaria informou ainda que a partir de 1º de maio de 2012 a categoria receberá R$ 300 a mais, totalizando R$ 852 no benefício. No entanto, esta diferença estará condicionada ao desempenho profissional dos trabalhadores. Serão atendidos os servidores das polícias Militar e Civil, Instituto de Medicina Legal (IML) e da agência prisional.

Por meio da assessoria de imprensa, a secretaria informou que o titular, João Furtado, vai ter uma reunião às 16h desta quarta-feira com o secretário de Gestão e Planejamento de Goiás, Giusepe Vecci, para discutir a realização de concurso público para policiais civis e militares na região do Entorno.

Do Correio Web.

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: