Entrevista com Deputado Patrício

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Por Lorena Pacheco, para o Jornal Alô.

O presidente da Câmara Legislativa do DF, deputado distrital Patrício (PT), conversou com o Alô Brasília em seu gabinete ontem. O parlamentar garantiu o retorno das votações hoje e disse que a Câmara Legislativa  funciona normalmente. Patrício falou também dos projetos do governo, greve da Polícia Civil e chegou a ameaçar corte de ponto dos deputados distritais que fazem “greve” de votação.

Onde o senhor estava na semana passada? Sua ausência foi sentida no almoço com o governador, na sexta-feira (4).
Disseram que eu não estava aqui, que estava viajando. Mas estava aqui sim. Descansei um pouco e fui em missões do governador, por isso não fui ao almoço.

A CLDF está um pouco parada. Voltará ao ritmo normal nesta terça-feira?
Teremos reunião de líderes pra definirmos uma pauta de votações. Temos dezenove vetos para apreciar e limpar a pauta. Mas amanhã (hoje) teremos votação normal.

E o que entra na pauta?
Não dá pra falar ainda quais projetos serão votados porque quem decide é o colégio de líderes. Não tem nada por enquanto.

E por que a interrupção das últimas semanas? O governo está tendo dificuldades na Câmara?
Não tem crise no governo, na verdade estávamos preparando os projetos pra serem votados, mas teve um feriado no meio. E eu disse que só teria Ordem do Dia nesta terça. Já temos projetos prontos para serem votados em plenário, que já passaram em todas as comissões.

Chegou à Casa na semana passada a proposta do regime jurídico dos servidores civis do Distrito Federal, uma matéria muito importante para o GDF. Acha que fica para o ano que vem?
Conseguiremos votar esse projeto até o fim do ano, não há nada atrasado. Ele já foi encaminhado para a CAS (Comissão de Assuntos Sociais). Tenho uma reunião marcada com a deputada Liliane Roriz (PSD), presidente da Comissão, para tentarmos um acordo. O projeto dos servidores pode perfeitamente ser apreciado na CAS amanhã e seguir para a Comissão de Constituição e Justiça.

E como veio o projeto?
O projeto veio do Executivo, quando chega aqui é amplamente discutido. Vai ser melhorado, aprimorado. A Central Única dos Trabalhadores e sindicatos participaram da elaboração.
Ele tramitará normalmente, mesmo com a chuva de emendas que a oposição pode trazer?
A oposição pode entrar com 30, 50, 200 emendas. Quando o governo definir que vai votar, vota e a derrota. É uma posição de governo, se decidir, a base vota e aprova.

O governador afirmou na última sexta-feira que sua base é “superconsolidada”. Mas três estão em “greve” e outros saem do plenário quando os projetos começam a ser lidos. Na verdade não são 19 na base. São 11. Ou não?
Você tem alguma dúvida que os “grevistas” vão voltar a votar? É porque ainda não foi tomada nenhuma atitude prática da liderança do governo. A liderança tem que colocar no colégio de líderes o que é pra votar. Quem não votar como a base do governo é o quê? Não é base. Com grevista faz o quê?

Corta o ponto?
Todas as vezes que eu os chamei para votar, eles votaram. Se não votar, é só ver o Diário Oficial no dia seguinte. É assim que funciona. O governo local não pode dar reajuste, você acha que o governador vai insistir em uma posição contra a presidente Dilma?

Mas e o compromisso que a secretaria de Administração assinou com as categorias da Polícia Civil? Se não iam cumprir, era melhor não ter prometido nada.

Eles assinaram o compromisso porque era a única maneira de acabar com a greve em abril. Eu estava na reunião. Prometeram que iriam encaminhar [as demandas], mas não é certeza ou compromisso de ter reajuste. Temos hoje Polícia Civil, Federal e Bombeiro no Brasil inteiro querendo aumento. É preciso ver o tamanho da crise.

O senhor acha que logo cedem? Será que pagarão a multa?

A multa é alta. Se não for paga, desmoraliza o sindicato. Eu acho ruim o governo derrotar categoria, tem que negociar e conversar exaustivamente, encontrar uma solução. As negociações não vão chegar a lugar nenhum se eles só aceitarem a proposta com o reajuste. E este o governo não tem como dar o aumento.

1 Comment

  • Avatar
    Anônimo , 9 de novembro de 2011 @ 12:14

    O Cabo Patrício precisa se interar mais do que é certo e do que é errado! Ler a CF, trabalhar, etc!

    O nobre Deputado é a favor da PL 559 que é um verdadeiro Trem da Alegria! É a favor sim, ele diz que não, mas no seu próprio site ele confirma que é a favor!

    E com relação ao trabalhos da Câmara ele não sabe nem quais projetos entraram em pauta!

    É um absurdo!

    O probleam é isso enquanto o povo e os veículos da imprensa não fizerem nada a política e a má gestão continuará assim!

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: