Entrevista com Wasny de Roure.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Cotado para a liderança do governo na Câmara Legislativa, o deputado distrital Wasny de Roure (PT) diz estar voltando ao Legislativo local por uma obrigação moral – participar do resgate e moralização da Casa, que já integrou por três mandatos consecutivos, de 1991 a 2002. Ex-secretário de Fazenda do DF, na gestão Cristovam Buarque, o distrital pretende iniciar o mandato com projetos polêmicos. Confira o que diz Wasny de Roure.

 
1 – Por que o senhor decidiu ser deputado distrital?



Wasny de Roure – Eu entendi que Brasília neste momento exige que os agentes políticos dêem uma resposta a este desafio de recuperar a imagem da política da cidade. Eu, como parte deste meio político, preciso atender a este apelo da sociedade. É preciso resgatar o papel do Legislativo, de cuidar do cidadão. Então me ofereci para participar deste processo. Este ano, a eleição para deputado federal teria sido mais fácil do que foi na campanha anterior, quando fiquei como primeiro suplente. Mas entendi que o acúmulo de experiência que tenho aqui seria importante para a construção de um novo Legislativo.
 2 – O que o senhor acha de um mandato parlamentar custar R$ 12,4 milhões aos cofres públicos no DF?



Wasny – Eu acredito que precisamos rediscutir o papel e o valor do parlamentar no Distrito Federal. Tão grave quanto as verbas e os gastos da Casa serem exorbitantes é a influência política em torno deles. A estrutura da Casa é exacerbada, é extremamente exagerada para atender 24 parlamentares e para nossa população. A verba de representação poderia ser sensivelmente reduzida. Tudo isso deve ser rediscutido.
Além disso, nenhum de nós imaginava que teria uma remuneração reajustada da forma que foi. Considerando isso, acho que cabe aos distritais uma autocrítica, para, como forma de compensação pelo reajuste exagerado, extinguir o décimo quarto e o décimo quinto salários, por exemplo. A postura de austeridade que a população exige do poder público hoje também passar por cortes como esses.


3 – Qual o primeiro projeto que pretende defender neste mandato?



Wasny – Meu primeiro projeto será o de retomar os investimentos para o Fundo de Apoio à Pesquisa Tecnológica (FAAP). Os recursos para a pesquisa foram reduzidos de 2% da receita corrente líquida para apenas 0,5%. Acredito que temos de investir no futuro e na educação da população e isso passa pela pesquisa. É um dinheiro bem gasto. Outra proposta é a CPI do Pró-DF e também a revisão do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT). Essas serão as três bandeiras do início do meu mandato. Há ainda uma outra proposta de exigir que, nos editais para contratação de empresas prestadoras de serviço no Distrito Federal, seja exigido que os servidores contratados tenham plano de saúde. A medida assegura o bem estar desses trabalhadores, que chegam a 200 mil, mas também economiza os gastos da rede pública.

Do Blog da Paola.

1 Comment

  • Avatar
    RC , 13 de janeiro de 2011 @ 04:02

    Propor moralização por aqui é, no mínimo, um gesto ousado.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: