Escolas do Grupo de Acesso superam barreiras para desfilar no Ceilabódromo.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Aproximadamente oito mil pessoas, segundo a estimativa da Polícia Militar, assistiram ao primeiro dia de desfile das escolas do Grupo de Acesso, no Ceilambódromo. A animação e a paz imperaram nas arquibancadas durante a passagem da Unidos da Vila Paranoá, Projeto Colibri, Império do Guará e Acadêmicos de Santa Maria.

A primeira a entrar na avenida foi a Unidos da Vila Paranoá, às 20h. Com o enredo Alô, alô, me mande uma mensagem por favor,  mostrou a evolução da comunicação ao longo dos tempos. A escola animou quem chegou cedo e recebeu aplausos, principalmente para a bateria.
A apresentação começou pela era da caverna, quando havia apenas gestos e grunhidos. Passou pela criação do papel e seguiu com as mensagens em alto-mar. O pombo-correio foi simbolizado pelo mestre-sala e a porta-bandeira, e a bateria representou o toque de tambor. Por fim, o desfile chegou ao telefone, celular e computador.
Ao final do desfile, boa parte dos 384 integrantes caiu no choro. Segundo David Santos, vice-presidente da escola, muita coisa fugiu do esperado. “A força da galera foi imprescindível, mas era para ser muito melhor”, disse, emocionado. A escola entraria com 500 integrantes, mas um ônibus quebrou.
Dedicação
O mesmo problema de transporte teve o Projeto Colibri, de São Sebastião, que entraria com 750 componentes, mas chegaram apenas 467. “Deixamos muita gente fora devido ao pouco tempo e ainda tivemos  ônibus quebrando. Mas estamos muito felizes. Tudo graças ao carinho e dedicação do pessoal”, comentou o presidente da escola, Milton Lemos.
O tema escolhido foi Mulheres Guerreiras, Mulheres Brasileiras, que começou com uma comissão de frente bem coreografada, mas formada por homens, o que deixou uma curiosidade no ar. “Seria uma mulher grávida, e os homens a reverenciando. Mas na hora ela, que está de sete meses, passou mal, e entramos só com os homens”, explicou Lemos.
Mesmo com as dificuldades, a escola acredita ter transmitido sua mensagem. Alas homenagearam a Princesa Isabel, Carmem Miranda, Maria Bonita, Movimento das Mulheres Catadoras, Cora Coralina, e por fim, um carro simbolizando as mulheres guerreiras e trabalhadoras, com uma integrante caracterizando a presidente Dilma Rousseff.

Informações do Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: