Ex-secretário de Transportes Alberto Fraga será indiciado por suposta cobrança de propina.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Policiais da Divisão Especial de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública (Decap) apontaram em coletiva de imprensa na manhã deste sábado (08), o envolvimento do ex-governador José Roberto Arruda e o ex-secretário de Transportes Alberto Fraga, no suposto esquema de extorsão aos membros da Cooperativa dos Profissionais do Transporte Alternativo do Gama (Coopatag) para garantir vitória em licitação pública. Alberto Fraga será indiciado pela Polícia Civil pelo crime de concussão (extorsão contra funcionário público). 

Segundo a polícia, os cerca de R$ 800 mil seriam divididos da seguinte maneira: R$ 300 mil para o ex-governador Arruda, 200 mil para o ex-secretário de Transportes daquela gestão e atual presidente regional do partido Democratas (DEM-DF), Alberto Fraga e R$ 300 para ser dividido entre os articuladores do esquema, o ex-secretário-adjunto de Transportes Júlio Luiz Urnau e o ex-assessor especial do governo Arruda, José Geraldo Oliveira. Os dois articuladores se encontram foragidos. 

Depois das denúncias de alguns cooperados, a polícia entrou nas investigações e, n manhã de ontem, realizou as apreensões e prisão de três pessoas , o diretor-presidente da Coopatag , Josenildo Batista Silva, o diretor-financeiro foram presos, José Estelito Lopes e Adevandro Pereira da Silva. Segundo a polícia, enquanto seguia para registrar seu depoimento, o diretor-presidente da entidade, Josenildo Batista da Silva, assumiu o suposto pagamento de propina e disparou a frase: “Tudo naquele governo era através disso”, referindo-se à capacidade de obtenção de vantagens em licitações. O terceiro preso, Adevandro Pereira da Silva, seria funcionário da cooperativa.


Desde as 6h de ontem, cerca de 120 policiais da Decap, iniciaram as diligências para cumprimento de 16 mandados de busca e apreensão. Foram apreendidos vários computadores e documentos, que podem servir de base para comprovar as irregularidades no processo de entrada da Coopatag no Sistema de Transporte Coletivo do Distrito Federal (STPC), com um lote de 50 micro-ônibus que atenderiam na região do Gama.
Do Jornal de Brasília.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: