Família acusa PMs de invadir casa e agredir dois homens e uma mulher na Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Kelly Almeida para o Correio Web.

Uma família de Ceilândia acusa quatro policiais militares de invadirem uma casa e agredirem dois homens e uma mulher, na madrugada do último domingo, na Expansão do Setor O. A confusão teria começado no momento em que Weber da Silva Gomes, 29 anos, bebia e ouvia som automotivo com mais dois amigos na porta da residência, localizada na QNO 16. Os PMs teriam pedido a carteira de habilitação e o documento do veículo, mas o homem disse que apresentaria apenas a identidade. Segundo os familiares, os policiais entraram no imóvel, chutaram portas e quebraram um celular que teria vídeos da suposta violência.

De acordo com Weber, os policiais o abordaram por volta da 1h50. “Pediram a habilitação, mas falei que não entregaria porque não estava dirigindo e que mostraria apenas a identidade. Quando entrei em casa para buscar, eles (os policiais) entraram atrás. Começaram a chutar as portas e me prenderam no beco da casa”, denuncia Weber, que está com um arranhão no rosto e com os braços roxos. “Eu estava dormindo com meu marido e minha filha de 4 anos, quando começamos a escutar a discussão e levantamos. Meu marido foi agredido ao tentar defender o irmão”, contou Poliana Botelho, 28 anos, cunhada de Weber.

Weber divide o lote com o irmão e a família e, segundo eles, é comum se reunirem na porta de casa para conversar com amigos e ouvir música. “O volume do som que o meu cunhado estava ouvindo não estava nem alto, caso contrário eu não estaria dormindo com a minha família. Os policiais já chegaram muito agressivos. Quando viram que eu filmava tudo, um deles me empurrou e derrubou o celular no chão”, afirma Poliana.

Logo após a confusão, que teria durado cerca de 30 minutos, Weber Gomes, o irmão Walber da Silva Gomes, 31 anos, e um amigo deles, de 19, foram encaminhados pelos policiais militares à 24ª DP (Setor O). Eles só foram liberados após assinarem Termo Circunstanciado por desacato e resistência. Segundo o titular da 24ª DP, Amado Pereira, a ocorrência será encaminhada para apuração na Corregedoria da Polícia Militar.

A reportagem tentou entrar em contato com o 8º Batalhão de PM, em Ceilândia, onde os quatro policiais são lotados, mas as ligações não foram atendidas.

Por meio de nota, a assessoria de comunicação da PM informou que os policiais estavam a serviço e foram xingados ao abordarem o dono do veículo que estaria com o som alto. “Desta feita, estas pessoas foram contidas e encaminhadas à delegacia da área para registro”, afirma a nota, que informou que “a Corregedoria da PMDF não tem nada a esse respeito para que seja instaurado qualquer tipo de procedimento apuratório”.

“Pediram a habilitação, mas falei que não entregaria porque não estava dirigindo e que mostraria apenas a identidade. Quando entrei em casa para buscar, eles (os policiais) entraram atrás. Começaram a chutar as portas e me prenderam no beco da casa”

Weber da Silva Gomes, 29 anos

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: