Festa ao ar livre na 202 Norte reúne integrantes do governo Dilma

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Do Estado de Minas.



Presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, o vice-presidente 
da República, Michel Temer, e o deputado federal Paulo Pereira da Silva 
saboreiam o churrasco (Antônio Cunha/Esp EM/DA Press)
Presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, o vice-presidente da República, Michel Temer, e o deputado federal Paulo Pereira da Silva saboreiam o churrasco

Embalados ao som de música sertaneja e com direito a uma leitoa assada em rolete, deputados federais, ministros e até mesmo o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP), participaram uma festa julina na 202 Norte para recepcionar sindicalistas que chegaram ontem a Brasília para uma manifestação na Esplanada dos Ministérios, prevista para começar às 14h30 de hoje. Regado a muita cerveja, vinho e barulho, o evento, que ocorreu à noite, irritou os moradores da quadra. O som só foi desligado as 23h06.

Cerca de 200 pessoas dançaram e festejaram entre os blocos I e J da 202 Norte, uma quadra que abriga alguns prédios funcionais da Câmara dos Deputados. Representantes da Força Sindical não perderam a oportunidade de comer os pratos típicos de cada região. Os sindicalistas do Rio Grande do Sul, por exemplo, assaram uma costela no bafo. Morador do 6º andar do Bloco I, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), mais conhecido como Paulinho da Força, foi saudado com fogos de artifício quando chegou à comemoração e discursou para os presentes.

Segundo Paulinho, a 4ª Secretaria da Câmara dos Deputados — responsável por supervisionar os apartamentos da Casa — autorizou o festejo. “Tomamos o cuidado de chamar todos os vizinhos para ninguém jogar pedra”, disse. Ele próprio organizou o evento.

Líderes partidários também compareceram à festa julina, decorada com bandeirinhas coloridas. Entre eles, estavam os deputados Giovanni Queiroz (PA), líder do PDT, Lincoln Portela (MG), do PR, e Ana Arraes (PE), do PSB. “Esse evento é importante para mobilizar o Congresso Nacional para as nossas reivindicações. Queremos aprovar a jornada semanal de 40 horas, resolver o fator previdenciário e a questão da terceirização”, finalizou Paulinho.

Temer chegou às 21h, após os discursos. Também foi recepcionado por fogos de artifício que duraram cerca de três minutos. O vice-presidente deixou de lado a formalidade habitual e se mostrou à vontade na presença dos sindicalistas. “Me sinto em casa porque estou entre o Legislativo e os trabalhadores. Não é preciso muita cerimônia porque sou mais um na festa”, brincou.

Quem também participou da farra do porco foi o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS). Ele afirmou no palanque improvisado que o Legislativo está conectado com a pauta da Força Sindical. “O Michel (Temer) já tinha tocado nesse assunto quando foi presidente e vamos dar sequência ao trabalho iniciado. Comemorem muito porque vamos ter muitas conquistas nos próximos dois anos”, disse. Os ministros do Trabalho, Carlos Lupi (PDT-SP), e da Previdência, Garibaldi Alves (PMDB-RN), também foram ao evento. Lupi subiu no palco e cantou a música Marina, de Dorival Caymmi.

Incômodo

Vários moradores da quadra foram atraídos pelo barulho e ficaram curiosos com uma festa que ocorreu entre dois blocos funcionais na noite de ontem. O servidor público Sérgio Cunha, 43 anos, estranhou um churrasco em área pública. Em sua avaliação, outro local deveria ter sido escolhido para os festejos. “Não é apropriado e seguro fazer esse tipo de evento em uma área residencial”, reclamou. O editor de vídeo Guilherme Pastana, 37 anos, morador da quadra, também protestou. “Esses dois prédios estão sempre vazios e, por isso, chamou a atenção (o evento). Se isso virar rotina, será um problema”, comentou.

O Correio entrou em contato com o administrador de Brasília, Messias de Souza, às 22h20, para saber se o evento tinha autorização. Messias explicou que esse tipo de autorização é expedida pela diretoria de serviço da administração, mas não sabia dizer se o churrasco dos sindicalistas tinha permissão para ocorrer. “São muitos os pedidos que passam pela diretoria. Nesse período, é comum a realização de festas julinas.”

O que diz a lei

A Lei nº 1.065, de 1996, relaciona 18 artigos que dispõem sobre as normas de preservação ambiental quanto à poluição sonora. Ela proíbe, por exemplo, a perturbação do sossego e do bem-estar público da vizinhança pela emissão de sons de qualquer natureza que ultrapassem os níveis máximos de intensidade pré-fixados. Na maioria dos condomínios e prédios do Distrito Federal, a lei do silêncio deve ser respeitada antes das 8h e depois das 22h.

Para saber mais

Os imóveis funcionais existem desde a construção de Brasília. Ao todo, são 432 apartamentos, distribuídos por quatro superquadras do Plano Piloto: três na Asa Sul (202, 302 e 309) e uma na Asa Norte (302). O Bloco L da 202 é um dos prédios funcionais. Tem 41 unidades e deveria ser ocupado por deputados, mas boa parte dos parlamentares prefere usar o auxílio-moradia. Na 302 Sul, a superquadra inteira foi construída para abrigar os deputados.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: