Festival de Cinema de Brasília promove oficina de interpretação para alunos de Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

“O teatro salvou minha vida”. A declaração é de Wellington Abreu, ator
que nasceu em Ceilândia, cidade do Distrito Federal. Durante esta
semana, ele ministra a oficina de interpretação em cinema para jovens de
escolas públicas da região. A oficina é uma das atividades do 44º
Festival de Cinema de Brasília. Outras oficinas ocorrem no Plano Piloto e
tratam das áreas técnicas destinadas à produção cinematográfica, desde a
construção de roteiros, direção e animação. Hoje (27), cerca de 50
jovens compareceram às aulas, cada um com a esperança de ter uma
profissão ou simplesmente vencer a timidez.


É Wellington Abreu que fala das dificuldades que enfrentou para chegar
ao que é hoje. “Eu era ruim na escola”, disse, mas foi por meio do
teatro que alcançou tudo que fez até agora. Ele atuou em mais de 24
espetáculos em sete estados brasileiros, na África e nos Estados Unidos.
Dirigiu o curta de ficção Ceilândia Capital do Brasil,
produziu Fora de Campo e fez roteiro e direção de Filhos da
Mãe
.

Abreu é um dos fundadores do Ceicine, Coletivo de Cinema de Ceilândia, e
há 12 anos integra a Hierofante Companhia de Teatro. Entre idas e
vindas, participa de temporadas do curso de interpretação do Companhia
Michel Tchekhov, em Nova York.

Filho de um técnico aposentado de radiografias e de uma dona de casa,
Abreu fala com orgulho sobre o caminho que tomou para sua vida a partir
da interpretação. “Hoje consigo viver de teatro, de cinema ainda não.
Mas o que consigo aqui no Brasil, como ator de teatro, invisto no curso
de interpretação”, disse Abreu. Segundo ele, há 20 anos participou, no
mesmo teatro, de uma oficina semelhante a que ele ministra esta semana.

O seu sonho é tornar a oficina permanente. Além disso, quer levar
adiante o projeto Cinema na Placa, que exibe filmes projetados nas
placas geralmente usadas para publicidade na Ceilândia, cidade com mais
de 600 mil habitantes, a maioria de baixa renda.

Um dos participantes da oficina ministrada por Abreu, é o estudante de
informática Pedro Rafael de Oliveira Carvalho. Ele mora em Samambaia,
outra cidade satélite de Brasília. “Eu fui modelo quando criança,
incentivado pela minha mãe. Hoje, procuro ver tudo relacionado à arte, e
não acho que o sonho de ser ator esteja tão longe da minha realidade”.

O Festival de Cinema de Brasília começou ontem (26). As mostras
competitivas ocorrem simultaneamente em quatro regiões administrativas:
Plano Piloto, Sobradinho, Taguatinga e Ceilândia. Participam do festival
seis longas-metragens, 12 curtas e 12 animações.
Agência Brasil

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: