Fisco identifica fraude milionária praticada por empresa do setor de construção de Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp


A Secretaria de Fazenda do Distrito Federal (SEF/DF) está auditando empresa do ramo de materiais de construção situada em Ceilândia, desde a última sexta-feira (12/04), entre às 10h40 e às 17h30, por suspeita de irregularidades fiscais. A ação foi deflagrada em parceria com a Polícia Civil, com o objetivo de averiguar o cumprimento das obrigações fiscais junto a coleta de material para a realização de levantamentos de estoque, contagem de caixa e a apreensão de documentos para análise.

As investigações tiveram início em 2012 após série de denúncias da concorrência e de consumidores inscritos no Programa Nota Legal que não recebiam os créditos relacionados às compras no empreendimento. Foram identificados indícios da comercialização de mercadorias sem documentação fiscal; inconsistências nas informações prestadas nos Livros Fiscais Eletrônicos e o não cumprimento das obrigações pertinentes às empresas inseridas na substituição tributária, espécie de cobrança em que o imposto é retido na fonte (indústria ou atacadista).
Esquema fraudulento
Após investigações prévias, constatou-se que existiam 20 inscrições estaduais no nome fantasia do estabelecimento, com o mesmo endereço. Por serem enquadradas no Simples Nacional, as firmas declaravam movimentação financeira anual de R$ 3,6 milhões enquanto faturavam por volta de R$ 26 mi, valores que não eram declarados ao Fisco.
Outra irregularidade detectada durante a vistoria, constatou-se que o estabelecimento comercial mantinha 15 depósitos de materiais clandestinos nas proximidades. Bares, uma igreja e até um hotel eram utilizados para esta finalidade.
O gerente da empresa foi encaminhado à Delegacia de Crimes Contra a Ordem tributária (DOT) para prestar esclarecimentos.
Balanço
A partir das informações, a Secretaria de Fazenda irá verificar o montante de imposto possivelmente sonegado. Depois da apuração, o tributo será cobrado com acréscimo de multa que chega a 200%. A previsão da conclusão da auditoria é 60 dias. 
Participaram da ação 80 auditores fiscais da Receita do DF, 34 servidores responsáveis pelo apoio operacional da Fazenda, além de oito policiais civis da DOT.  

fonte: Ascom Sefaz

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: