Gregos e goianos.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram



Em 335 a.C., Demóstenes, político grego, acabou preso. Se vendeu a um cupincha do invasor Alexandre, o Grande, para facilitar sua fuga de Atenas. No final de sua história, acuado, suicida-se com veneno. O Demóstenes de hoje também tem princípios (e partido) democráticos, como o Demóstenes grego. O senador do DEM, Demóstenes Torres, parece “pagar” pelo nome. Seu envolvimento com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, pode levá-lo ao “exílio”.
O político goiano, que assim como o político grego, tinha, até pouco tempo, o dom da oratória, está na mira até do Supremo, que determinou a quebra de sigilo bancário do senador. A dúvida é se, além de ligações com o empresário preso por jogo ilegal, Demóstenes goiano teria “se vendido”. Pode acabar morto com seu próprio veneno – os discursos inflamados de ética na política.
Pimenta: O Demóstenes goiano, porém, pode ter barrado o antecessor Demóstenes na história da polícia. É que enquanto o grego foi agraciado com uma coroa de ouro pelo ateniense Ctesifonte, o goiano pode ter – vamos ressaltar, “pode ter” – ido além da coroa de ouro. E se o Demóstenes grego tinha um Ctesifonte, o goiano teria um cachoeira!

Fonte: Blog do Odir/ Coluna Ons e OFFs

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: