Invasões no Nova Jerusalém cresceram depois que ex-funcionário da Administração de Ceilândia assumiu o cargo

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Um major da Polícia Militar é investigado por grilagem de terras em uma área invadida de Ceilândia. Segundo reportagem publicada pelo jornal Correio Braziliense, o major Calone Batista teria facilitado ocupações em Nova Jerusalém, na região do Sol Nascente, quando ocupava o cargo de gerente de condomínios na Administração Regional de Ceilândia. Ele foi exonerado do cargo assim que o novo governo assumiu.

O major nega as acusações. Procurado pela reportagem da TV Globo, o Comando da PM não quis se pronunciar.



Segundo Batista, houve maior repressão contra a atividade ilegal no período em que ele foi gerente de condomínios. “Eu era o maior opositor da grilagem, entendeu? É por isso que está tendo esse problema.”  O policial disse que o crescimento de invasões no local foi culpa do governo.


“Depois da eleição eu não consegui mais combater. Por quê Porque a máquina parou. Ai, o que que eu fazia? Eu só tirava cópia e mandava, fazia meu relatório e mandava para os órgãos competentes.”


De acordo com o jornal, as invasões no local cresceram rapidamente com a ajuda de grileiros, que prometiam uma falsa proteção contra derrubadas, no período em que Batista assumiu o cargo. No local, os terrenos eram vendidos por R$ 3 mil, segundo a reportagem. Casas pequenas eram erguidas apenas para demarcar as terras.


O nome de Carlone Batista é citado em uma investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública.

Informações do G1

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: