Já são três para disputar Senado.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Já são três para disputar Senado

Já são três os candidatos do PT a senador, nas eleições de 2014. Já interessado no cargo da última vez, o deputado Geraldo Magela precisou desistir por imposição da política de alianças do partido. Já avisou correligionários que agora pretende ir até o fim. O secretário de Governo, Paulo Tadeu, não se coloca ostensivamente, mas não há no Buriti quem ignore suas intenções. A votação recebida por Paulo Tadeu, 165 mil votos, legitima a pretensão. Magela, de seu lado, tem força no partido, integrando até a Executiva Nacional. 

Pressão pelas prévias –  O distrital Chico Leite (foto) também comunicou a aliados petistas que deste vez pretende concorrer. Submeterá seu nome ao partido de qualquer forma e só não concorrerá na convenção – ou nas prévias, se houver – caso a base do PT não queira. Já propôs a outros integrantes da bancada que todos os nomes sejam submetidos à militância. Mas gostaria mesmo é que se fizesse uma pesquisa de opinião. Quem estiver melhor entre o eleitorado que seja o candidato.

Argumentos para recuar  –  Existe a convicção de que, ao contrário do que ocorreu na eleição passada, os principais candidatos petistas ao Senado não se disporão a recuar. Em 2010, a cúpula nacional do partido forçou a saída de Magela, argumentando que a inclusão de mais um nome do PT na chapa majoritária prejudicaria a política de coligações articulada para eleger a presidente Dilma Rousseff e para ampliar a bancada governista no Senado. Assim, as vagas de senador ficaram com PDT e PSB. O PT conformou-se com as duas primeiras suplências. PRB e PCdoB tiverem de aceitar as segundas suplências. 

Exemplo valeu – As últimas movimentações do jogo político certamente serão usadas pelos defensores de uma candidatura petista ao Senado, caso contestada pelo comando partidário. Afinal, diz um dos postulantes, o principal adversário potencial da reeleição de Agnelo Queiroz é justamente um dos beneficiários da política de coligações. O senador Rodrigo Rollemberg.


Fonte: Blog do Odir/ Eduardo Brito/ Coluna do Alto da Torre/ Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: