Luiz Eduardo, O exemplo que veio da Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Na primeira vez que pegou em uma raquete feita de madeira e E.V.A (Etileno Acetato de Vinila, material emborrachado utilizado para diversos fins), Luiz Eduardo Camarço dos Anjos soube que seu talento era mesmo com as mãos e logo abandonou o futebol com os amigos.

A concentração e o esforço foram dirigidos para a pequena bolinha do tênis de mesa e aquele caminho o levou a lugares que Luiz Eduardo nunca imaginaria. Pelo esporte que o encantou veio a primeira viagem de avião, uma aventura inesquecível e reveladora para o tímido menino que divide uma casa humilde na Ceilândia com mais oito pessoas. 



O primeiro avião em que ele entrou, em abril, o levou até Aracajú, onde, na Copa Brasil, foi vice-campeão na categoria mirim. Depois, veio a participação em mais duas etapas: Maceió e Maringá (SC). Seriam seis viagens, mas a falta de dinheiro limitou a participação nas demais competições. Apesar disso, o menino de Ceilândia impressionou. E conseguiu uma vaga na Seleção Brasileira.


Assim, na próxima semana, Luiz Eduardo entrará para a história por ser o primeiro brasiliense de origem carente a disputar um torneio Internacional de tênis de mesa. O Aberto de Jovens, que acontecerá entre 20 e 23 de setembro, no Rio de Janeiro, reunirá mais de 100 adolescentes em duas categorias: Júnior (16 a 18 anos) e Cadete (14 e 15 anos), de países como Argentina, Chile, Peru, Paraguai e República Tcheca. Por ainda ter 13 anos e ser mais jovem do que os demais participantes, a competição será ainda mais importante para Luiz Eduardo.


Por isso, o garoto treina duro, de segunda a sexta-feira, para conseguir bons resultados. E se em um ano ele conseguiu chegar à Seleção Brasileira, quem vai duvidar de seu principal desejo? “Quero ser o melhor do mundo”, diz, com a confiança comum aos garotos.


A rotina de Luiz Eduardo envolve quase 10 horas por dia entre a saída de casa; o deslocamento até o CID de Ceilândia (com o professor Adalberto Prieto); a ida até o segundo lugar de treinamento, a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB); e o retorno para o lar. No deslocamento, ele apanha ônibus e metrô e já houve casos de ter que fazer parte do caminho a pé por falta de recursos. Quando retorna para casa, sempre de carona com o treinador Ernesto Takahara, que o orienta da AABB, só tem energia para comer e dormir.
DF Super esportes

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: