Mesa Diretora abre processo contra Raad Massouh

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Distrital é suspeito de desvios de verbas de emendas parlamentares e de apropriação indevida de parte dos salários de servidores

O Plenário da Câmara Legislativa vai realizar sessão extraordinária amanhã ou na quarta-feira (12) para eleger o corregedor ad hoc que vai analisar a denúncia feita pelo movimento Adote um Distrital contra o deputado Raad Massouh, acusado de desviar recursos de emenda parlamentar.
O anúncio foi feito pelo presidente da Câmara Legislativa, deputado Patrício, na tarde desta segunda-feira, após reunião da Mesa Diretora. A decisão foi por unanimidade. Apenas o deputado Aylton Gomes (PR) não participou porque estava em consulta médica, explicou Patrício.

O presidente da Câmara Legislativa explicou aos jornalistas que a decisão da Mesa não significa nenhuma avaliação inicial sobre o mérito das denúncias. “Observamos apenas se as pessoas que apresentaram a denúncia cumpriram as formalidades regimentais para ingressar com a representação”, ressaltou. Ele explicou que, se nenhum deputado se apresentar como voluntário para ser o corregedor ad hoc, ele poderá ser indicado pelo Presidente. Mas o nome precisa ser confirmado em votação, no Plenário. Patrício disse, contudo, que não espera dificuldades para a votação de um corregedor, que analisará especificamente o caso Raad.
Caberá ao corregedor eleito encaminhar a denúncia contra Raad para apuração na Comissão de Ética da Câmara Legislativa ou solicitar o arquivamento, de acordo com a análise que fará da representação que foi protocolada na Casa, na semana passada.
Eleição da Mesa – O presidente Patrício anunciou também que a eleição dos novos membros da Mesa Diretora para o biênio 2013-14 deverá ocorrer na noite da quinta-feira (13), antes da votação da Lei Orçamentária Anual (LOA). Ele disse aos jornalistas que espera encerrar as votações no final da noite de quinta-feira, sem necessidade de sessões extraordinárias. “Temos tudo para fazer as votações com muita tranquilidade, pois não temos nada polêmico para apreciar em Plenário. O PPCUB provavelmente deve ficar para o próximo ano, a não ser que ocorram fatos novos que possibilitem o acordo”, afirmou.
Fonte: CLDF

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: