Metrô amanhece parado e postos da PM vazios no DF.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Paralisação geral. Hoje, os 130 mil usuários do metrô do Distrito Federal não vão poder utilizar os   vagões. Insatisfeitos com o atual deficit de pessoal nas estações, servidores decidiram parar o maquinário. Aqueles que dependem do transporte devem buscar alternativas para se locomover. De acordo com o DF-Trans, haverá reforço de 80 ônibus para que os passageiros não sejam muito prejudicados.

“Impossível não sentir a paralisação. Eu dependo do metrô para trabalhar e vou ter que pegar ônibus superlotados.  Já vou avisar o chefe”, diz o agente de vigilância Francisco de Assis. O morador de São Sebastião foi surpreendido com a notícia da greve, porém reconhece a necessidade de melhoras no serviço. “Não é bom. Se eles vão parar é porque falta investimento”, afirma.
Para quem não é de Brasília, inclusive, o Metrô-DF não se compara ao serviço oferecido em São Paulo e no Rio de Janeiro. “Já morei nessas duas cidades e posso dizer, aqui fizeram uns trens melhorados, nada mais. A velocidade é baixa e o espaço de tempo entre um vagão e outro é de 10, 20 minutos. E se os servidores estão insatisfeitos é porque a coisa não está boa mesmo”, opina o professor Marcelo Teófilo.
Entre as principais reivindicações  está a necessidade de aumento no quadro de seguranças, passando de 140 policiais metroviários para, pelo menos, 640. Além disso,  argumenta o sindicato da categoria, hoje existem apenas 166 agentes atuando nas linhas, quando  o ideal são 750. Até o número de pilotos, que está em 150, deveria dobrar. 
Uma servidora do Metrô-DF admite a paralisação e a sobrecarga de serviço. “Vamos parar tudo. Não dá. O governo não houve nossos apelos. Da outra vez, também foi assim. É preciso que a população seja prejudicada para que a gente consiga uma negociação justa”, expõe.
Na outra ponta, o Metrô-DF alega desconhecer os motivos da paralisação, pois foi definido cronograma para novo concurso e   feita a revisão da tabela salarial.  
Algema vira cadeado
À mercê da insegurança, a população do Distrito Federal se mostra insatisfeita quanto à prestação de serviços públicos. E, para piorar, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar iniciaram a conhecida “operação tartaruga”. Coincidência ou não, a reportagem do JBr flagrou, ontem, dois postos da PM vazios.
O cenário é de abandono. O posto policial da   104 Norte estava  sem agentes ou viaturas.  Uma algema servia como cadeado. Ainda na Asa Norte,  a situação não era diferente no posto da 312.
Oficiais que preferiram não se identificar contaram à reportagem que a operação tartaruga é a única opção, uma vez que a lei não permite que os militares façam greve.
Polícia justifica abandono dos espaços
Segundo o chefe do Centro de Comunicação Social da PM, coronel Goulart, “a Polícia Militar desconhece qualquer indício de greve. Essa medida foi determinada por apenas algumas associações”.
Quanto aos postos vazios, o coronel alega que seria preciso analisar os casos separadamente para saber ao certo o que aconteceu. Goulart justifica, entre as possibilidades dos episódios, a de o agente ter sido acionado para atender uma ocorrência. “Às vezes é mais prático ter um agente em viatura pela mobilidade que ele pode ter. Mas pode ser por falta de efetivos na escala”, diz.
A situação preocupa a comunidade. Para o dono de uma banca de jornal José Antônio, a decisão dos militares só tem pontos negativos. “Estou inseguro de vir trabalhar. Normalmente já corremos perigo, e agora, então, como vou abrir a banca sabendo que não tem policiamento nas ruas?”, reclama.
O militar aposentado Wanderliro Barbará é enfático em seu posicionamento: “De todas as formas, sou contra essa greve. Prejudica a população e não ajuda ninguém”, diz. 
Também morador do Plano Piloto, Benjamin Feitosa costuma passear com a esposa aos domingos   e comenta que ficou assustado ao saber da greve. “Ficamos com a sensação de incerteza. A gente começa a pensar se o que está ruim pode piorar ainda mais”, pontua. 



Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: