Moradora de Ceilândia junta recicláveis para trazer sobrinho que perdeu pai de volta a Brasília

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Uma criança brasiliense está sem guarda definida em Mocajuba, cidade do
interior do Pará. Para trazer o menino de 10 anos de volta à capital, a
moradora de Ceilândia Isis dos Santos Ferreira, 24, tia materna do garoto,
junta latinhas de refrigerante e cerveja. A intenção é vendê-las, comprar uma
passagem de ônibus e trazer o sobrinho para perto da mãe. “Estou desempregada.
Foi o jeito que encontrei para buscar o meu sobrinho. É uma situação triste,
mas temos que ter esperança. Eu resolvi tomar uma atitude”, afirma. As informações são do Jornal de Brasília. 

Os familiares maternos do garoto tentam trazê-lo para Brasília após a
morte do pai, há poucas semanas, mas passam por dificuldades financeiras. A mãe
do menino vive em Brasília, mas não era responsável legal por ele. Por
enquanto, a guarda segue indefinida. A família deve procurar a Defensoria
Pública e o Ministério Público ainda nesta semana para dar entrada no processo.

Saudade
O vínculo afetivo com o sobrinho é forte. “Cuidei dele nos primeiros
anos de vida, quando a minha irmã deu à luz”, lembra. “É como se fosse meu
filho”, compartilha Isis, emocionada. Ela espalha pedidos de ajuda em redes
sociais e conta com o apoio dos vizinhos para juntar as latas. “O pessoal já
sabe que estou juntando, então ninguém joga nada fora. Quando tem churrasco
aqui perto, é minha alegria”, relata.

No momento, ela reúne, no quintal de casa, cerca de 6 kg de material
reciclável distribuídos em dois sacos — o que deve render aproximadamente R$ 14
em um centro de reciclagem de Ceilândia. A verba é módica, mas a esperança é
enorme. “Não vou desistir de buscar o meu sobrinho. De latinha em latinha, eu
chego lá”, acredita.

Desempregada, diz não ter condições financeiras para ir ao Pará. “Já
pedi dinheiro para outros membros da família, mas a situação está difícil”,
lamenta. Problemas de saúde a impedem de trabalhar como cabeleireira, ofício
que exercia antes do desemprego. “Quando vi uma vizinha jogando várias latinhas
fora, me veio a ideia”, lembra.

Isis quer ir ao Pará porque teme pela segurança da criança. “A família
do pai é conturbada e ele está pulando de casa em casa, porque ninguém tem
condições de criá-lo”, afirma a mulher.

Assassinato
O garoto vive no Pará há nove anos com o pai, mas o homem foi
assassinado no dia 1º de março. Após o crime, a criança passou a viver com uma
tia, conforme o Conselho Tutelar de Mocajuba (Pará).

Conselho Tutelar acompanha
Conselheiro tutelar do município de Mocajuba, Ocivaldo Rodrigues Martins
garante que todos os encaminhamentos competentes ao órgão foram devidamente
feitos, e o caso já foi encaminhado ao Ministério Público.

“A criança está sendo acompanhada por assistentes sociais e uma
psicóloga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e
pelo Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Atualmente, mora em uma
casa de parente próximo com todas as condições adequadas”, detalha Rodrigues.

Manifestação
Após visitar a casa onde Ayude vive atualmente, o conselheiro atestou
que a tia do garoto deseja que a família de Brasília reivindique a guarda. “Mas
compete à família procurar o setor administrativo, um advogado ou a Defensoria
Pública, onde possa fazer o requerimento do processo da guarda”, informa.

A tia de Brasília, Isis dos Santos Ferreira, está em contato com a
família paterna, do Pará, e se prepara para ir ao estado em breve. “Já tenho
latinhas para buscar em toda a Ceilândia. Tenho certeza de que vou conseguir”.

Serviço
Os interessados em ajudar Isis com as
despesas da viagem ao Pará pode ligar para (61) 99634-3503

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: