Moradores da QNO 10 protestam por mais iluminação pública e limpeza.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Falta de iluminação pública, segurança e limpeza são alguns dos problemas relatados por quem mora ou frequenta a  QNO 10, em Ceilândia Norte. Em busca de melhorias, a população organiza hoje uma manifestação para reivindicar benfeitorias na quadra.

De acordo com o organizador do protesto e morador da cidade, Ronaldo Lopes, a vizinhança está passando por situações de risco há mais de cinco anos. “O local se tornou um ponto de prostituição e tráfico de drogas por causa da péssima iluminação à noite. Vemos muitas pessoas fumando crack e tendo relações sexuais”, destaca. Ele afirma ainda que, devido à escuridão, já ocorreram vários assaltos a comércios e a pessoas que chegam do trabalho.


O comerciante Leandro de Lima também reclama da situação e pede mais iluminação no local. “Eu já fui assaltado três vezes e o meu estabelecimento já passou por algumas tentativas de assalto. Além disso, sempre presencio pessoas correndo na rua porque acabaram de ser assaltadas”, conta.
O administrador de Ceilândia, Ari de Almeida, assegura que esse problema será resolvido em breve. Ele afirma que o local será beneficiado pelo projeto Ceilândia Iluminada, ação pela qual são instalados postes mais altos e lâmpadas mais fortes. Segundo Ari, até o final de maio, a região estará com a nova iluminação.


Outro problema que incomoda os moradores da QNO 10 é o acúmulo de lixo. Para Leandro de Lima, a situação é tão crítica que pode afetar a saúde da comunidade. “Os carroceiros jogam todos os tipos de lixo, como pneus e restos de materiais de construção. Isso é um grande problema porque quando chove, o ambiente fica propício ao acúmulo de água, podendo haver até dengue. Tem também a questão da poluição, pois algumas pessoas ateiam fogo no local e a fumaça fica insuportável”, afirma.

Na avaliação do administrador regional, a solução para este problema está, principalmente, na conscientização das pessoas que moram na comunidade. “Pelo menos uma vez na semana, nós enviamos um caminhão para retirar esses entulhos do local, mas basta dois dias para o lixo aparecer novamente. Então, falta consciência da população de não jogar o lixo na rua e, para que isso acabe, nós precisamos da ajuda da própria população”, esclarece.

Jornal de Brasília

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: