Mortes de bebês resgatam alerta no hospital de Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

As mortes de dois bebês na UTI neonatal do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) neste fim de semana reacenderam sinal de alerta na unidade. A infecção pela bactéria Serratia, que infectou sete e matou três recém-nascidos em abril, não está descartada em pelo menos um dos casos. Além disso, outros dois recém-nascidos estão com o diagnóstico confirmado. Por isso, informou a Secretária de Saúde, estão em quartos isolados. 
“Estamos em alerta constante e todos os procedimentos foram revistos depois das mortes de abril. Contratamos mais técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos, e todos os pontos vulneráveis foram corrigidos”, assegurou o secretário de Saúde, Rafael Barbosa. 
Momento de cautela

Os bebês que morreram eram prematuros, com menos de 60 dias de vida. No domingo a UTI chegou a ser fechada por precaução, sendo reaberta ontem, somente para casos extremos. “Tomamos a medida diante da possibilidade de um novo surto”, disse o secretário de saúde. Para ele, o momento é de cautela no HRC. Contudo, completou, casos como esses são comuns na unidade, já que trata-se da maior maternidade do Distrito Federal
“É impossível existir um ambiente hospitalar livre dessa bactéria. Todas as pessoas a carregam no organismo, pois elas habitam o sistema gastrointestinal. O problema é quando a Serratia vai para a corrente sanguínea”, destacou Barbosa.
O secretário de Saúde afirmou ainda que uma das mortes foi causada por infecção generalizada em decorrência da bactéria Klebsiella, também recorrente em bebês de baixo peso. 
Porém, sobre o outro recém-nascido que faleceu, o secretário salientou: “Estamos ainda aguardando o resultado da hemocultura. Só esse exame pode dizer qual foi o tipo de micro-organismo que o levou a óbito”. O resultado do exame deve ficar pronto em cinco dias. Os dois bebês tinham baixo peso e baixa imunidade.
Mães estão assustadas
Incerteza, insegurança e ansiedade foram os sentimentos que rodearam as mulheres que aguardavam para serem atendidas na maternidade do HRC. Gestantes prontas para ter o bebê foram orientadas pela própria médica a irem para outro hospital. 
Demora e medo
Sabrina Nascimento, 23 anos, levou a filha Mariana, de dois meses, ao hospital. Ela estava com febre e depois de cinco horas de espera foi atendida. O medo de levar os filhos ao hospital é constante. “Fui ter a Mariana exatamente na época do primeiro surto, em abril, e não tive coragem de tê-la aqui. A minha amiga perdeu o bebê naquele mês, foi confirmado que ele tinha pegado a bactéria no hospital”, lembra. 
A grávida Tuíra Barros estava pronta para dar à luz na tarde de ontem, mas pediu para o pai buscá-la e levá-la a outro hospital quando a própria médica explicou a situação do surto. “É claro que fiquei com medo. Vim com o encaminhamento do posto médico porque moro por aqui mesmo, mas agora eu estou indo para Samambaia e vou ter lá”, disse, assustada. 
A incerteza toma conta da Leide Nicaelis, 24 anos, que está pronta para ter o terceiro filho. Ela chegou ao hospital em trabalho de parto e esperava ser transferida para Taguatinga na hora de ter o bebê: “Espero que o próprio hospital se responsabilize de me levar, se não vou ter que ir de ônibus”.



Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: