Mudanças no GDF antecipam debate sobre reforma do secretariado.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Antes de promover a anunciada, mas discreta, reforma do secretariado, o governador do Distrito Federal começa a fazer “ajustes” em cargos estratégicos da estrutura local. A primeira mudança se deu no Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. O então comandante-geral, Márcio de Souza Matos, foi exonerado da função e substituído pelo coronel Gilberto Lopes da Silva.

 Internamente, a exoneração ocorreu após a reaproximação do Partido da República (PR) da base de Agnelo Queiroz. O distrital Aylton Gomes, um dos representantes da legenda, é bombeiro e havia declarado guerra contra a gestão do coronel Márcio, que se negava a atender pedidos políticos do parlamentar. Na época, o então comandante havia saído vitorioso e permaneceu no cargo, mesmo após o distrital pedir publicamente sua exoneração. No entanto, fontes alegam que a troca do comando do CBMDF foi uma das principais exigências do PR para  que o partido voltasse a apoiar o governo do PT.

 Mudanças também na Administração do Cruzeiro. Deixa a cadeira o petista Salin Siddartha Diniz para ceder a vez ao ex-administrador de Taguatinga, Antônio Sabino de Vasconcelos Neto. Ex-candidato e muito ligado ao governador, Sabino perdeu espaço quando a administração de Taguatinga foi entregue a Carlos Jales, pessoa de confiança do distrital Washington Mesquita (PSD).

 Na pasta de Micro e Pequena Empresa, ocupada por Raad Massouh (PPL), chega como secretário-adjunto  Miguel Nabut, que foi candidato a deputado distrital pelo PRP. Em sua modesta campanha, que arrebanhou 4256 votos, apoiou a candidatura de Agnelo Queiroz ao Buriti. Até hoje, aguardava a boa vontade do Buriti para conquistar algum lugar de destaque no governo. Hoje, enfim, foi publicada a nomeação dele no DODF como substituto de Raad.

 Outra mudança se deu na Companhia de Desenvolvimento Habitacional (Codhab). O então diretor-presidente, Edson Machado Monteiro, tido por colegas como um técnico “intransigente”, pediu sua exoneração nesta quinta-feira. A falta de diálogo entre Monteiro, o secretário de Habitação, Geraldo Magela, e o secretário-adjunto, Rafael Oliveira, teriam impulsionado a decisão.  

O secretário-geral do PT-DF, Hugo do Nascimento Silva, por exemplo, foi exonerado do cargo de assessor da Coordenadoria de Assuntos Legislativos do GDF. Nenhum novo ato reabrigou o militante em outro cargo do governo local.
Blog do Sombra

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: