Nas administrações regionais a correria por cargos.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
A exoneração dos administradores de Águas Claras e Taguatinga, após denúncias de irregularidades na liberação de alvarás de construções nas duas regionais, começa a abrir nova corrida de disputas entre os partidos da base governista. 
Os cargos ocupados pelos administradores Carlos Sidney de Oliveira e Carlos Alberto Jales, indicados respectivamente dos distritais Olair Francisco (PT do B) e Washington Mesquita (PTB), são considerados estratégicos para o governador, não apenas para a manutenção de seu apoio na Câmara Legislativa, mas para a alianças para as eleições de 2014.
Hora de esperar

Mesmo com o risco de não poder indicar um novo administrador, Olair garante que o apoio ao Buriti permanecerá o mesmo. “Vamos esperar o governador chegar para conversar e o que ele decidir será o que valerá”, afirma Olair Francisco, que completa, apreensivo: “Agora é esperar”.
De acordo com o distrital, a escolha de Carlos Sidney para a administração de Águas Claras foi feita pela história do ex-administrador na região e não pelo potencial político. “O primeiro requisito para que os administradores fossem escolhidos era que  morassem na regionais e, além do mais, ele é um pioneiro que está na região de Taguatinga há quase 50 anos”, explicou.
Sem arrependimento
Sobre a notícia das fraudes do ex-administrador de Águas Claras, Olair disse que foi surpreendido, mas que não se arrepende de o ter indicado. “A gente foi pego de surpresa com tudo que foi divulgado pela imprensa, mas temos a consciência tranquila por conta do histórico dele”, afirma o distrital, que diz ainda não ter, caso o Buriti permita, um novo nome para indicar.
A troca de administradores nas regionais foi uma constante durante o atual governo, ora para acomodar apadrinhados políticos de partidos apoiadores do governador, ora por denúncias de corrupção nas regionais. 
Carlos Sidney estava à frente da Administração de Águas Claras há oito meses.
Saiba Mais
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) julga hoje um mandado de injunção, que em tese poderá mudar a forma de escolha dos 31 administradores regionais.
A ação prevê a escolha dos administradores com a participação popular, para se evitar a manutenção de feudos políticos onde são acomodados apadrinhados.
De quem virá palavra final
A continuidade de um indicado de Washington Mesquita à frente da Administração de Taguatinga pode ter como peso a influência de um outro personagem: o padre Moacir Anastácio. Tanto o distrital quanto Carlos Alberto Jales foram coordenadores da Festa de Pentecostes, realizada pelo religioso, muito influente na região. Assim como Washington Mesquita, Carlos Jales conta — ou contava — com o apoio do padre Moacir. 
Antes das eleições, o grupo estava no PSDB e era oposição, mas ao terminar a disputa de 2010, Washington se filiou ao então recém-fundado PSD e passou a integrar a base governista. No início de outubro, foi para o PTB.
Durante a crise que culminou na prisão de seu indicado, Washigton esteve em viagem à Bélgica, com a comitiva do governador Agnelo Queiroz, que acertava a escolha de Brasília para sede das Olimpíadas Universitárias (Universíade)  em 2019. Segundo uma pessoa próxima ao parlamentar eles não conversaram sobre o assunto, por falta de conhecimento do assunto e pela correria da viagem.
Por meio de sua assessoria, Washington Mesquita, que chegou ontem no início da noite, afirmou que fará hoje um pronunciamento no Plenário da Câmara Legislativa para tratar sobre o assunto.
Por Suzano Almeida do Clica Brasilia

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: