Novos problemas com os planos de saúde da PM

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Desde a semana passada que
integrantes e dependentes dos planos de saúde da PM estão tendo problemas para
serem atendidos. Quem precisa de guias para consultas, exames e internações ou
fazer encaminhamentos médicos encontram dificuldades.
Usuários reclamam que as
guias não estão sendo emitidas e que ninguém dá uma explicação plausível.
“Está uma verdadeira bagunça”, diz uma usuária.

Sem mais paciência para
tanto descaso, usuários resolveram chamar a imprensa (Rede Globo) para que
fizesse o registro das denúncias. Segundo o Chefe do Departamento de Saúde,
Coronel Nino, o problema se deu em virtude da troca do sistema de impressoras e
que o problema já estava sendo sancionado. Vamos esperar.
Levantamentos indicam que
por dia são efetuados cerca de mil atendimentos na Policlínica da PM e que mais
de 72 mil ativos, inativos e dependentes utilizam o plano de saúde da
corporação.
Ouvido pela reportagem do
DFTV 1ª Edição, o comentarista em segurança pública, Daniel Lorentz, foi
enfático ao dizer que muitos usuários são afetados nesse tipo de mau
atendimento. Segundo ainda o comentarista, a PM necessita de uma renovação de
seus quadros, pois 52% dos policiais militares do DF têm mais de 20 anos de
serviço e que precisa de uma atualização de seus salários, já que hoje não é a mais bem paga do país, sendo
ultrapassada pela Polícia Militar do Paraná. Além disso, o custo de vida
elevadíssimo da capital não permite mais os policiais viverem com a
tranqüilidade do passado. Como manter um plano de saúde alternativo?

Criminalidade
continua em alta no DF

Segundo o DFTV 1ª Edição, a
criminalidade começou mal no DF. Já havia sido registrados 15 homicídios só nos
primeiros 6 dias do ano. Planaltina lidera as estatísticas.
Segundo informações da
Polícia Civil, a maioria dessas mortes são oriundas de jovens envolvidos em
brigas de gangues, porém não podemos descartar que isso não justifica o fato de
que vidas que estão sendo ceifadas pela marginalidade.
Samambaia (dois), São
Sebastião (dois) e Paranoá (dois) já registraram homicídios em 2014. Moradores
reclamam que está faltando segurança. “A
gente não anda mais na cidade”
, afirma uma moradora de São Sebastião.
Ceilândia, Gama, Recanto das
Emas, Estrutural e Taguatinga já registraram uma morte em cada local. “Isso é uma calamidade, porque a gente
ver que jovens começam muito cedo no mundo do crime e depois para sair fica
muito difícil”
, disse um professor da rede pública de ensino. Essa
violência desenfreada têm mudado a rotina dos moradores do DF. “Procuro não chegar tarde em casa, vejo
se o marido está esperando”
, disse uma moradora. Outro já disse: “Todos os prédios são cercados por
cerca elétrica e a gente evita sair à noite, é muito perigoso”
.
Ainda segundo a reportagem,
a Secretaria de Segurança, após divulgação da matéria da Rede Globo, informou
números que não correspondem aos divulgados pela imprensa local. Segundo eles,
esses números são maiores que o divulgado, totalizando 17 assassinatos só em
2014. E aí? Quem fala a verdade?
“Desde
2012 a Secretaria de Segurança não divulga integralmente os números atuais de
criminalidade e existem duas Leis, uma Distrital e uma Federal que regulamentam
essa divulgação de interesse do cidadão, sendo existem outras unidades da
federação, como Goiás, que divulgam informações mensais sobre o tema”,
disse
Daniel Lorentz, especialista em Segurança Pública contratado pela Rede Globo,
questionando porque o GDF não divulga esses índices de maneira sistemática.
Conclusão:
Está mais do que evidente
que métodos arcaicos e desatualizados não funcionam mais na nossa capital. A
população quer segurança e isso só será possível depois que a segurança pública
do DF for verdadeiramente valorizada e estabelecida. Profissionais para isso
nós temos. Só estão desmotivados. Policiais e sociedade não conseguem mais
conviver com esse clima patrocinado por um partido que exclusivamente pensou em
seus ideais em troca da segurança da comunidade. Cabe agora a essa mesma sociedade
cobrar do governo atitudes que possam restabelecer a paz e a segurança a qual a
sociedade braziliense sempre foi acostumada.


Fonte: Com informações do
DFTV 2ª Edição

Por Tenente Poliglota…

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: