O MP Eleitoral sustenta que Arruda não poderá tomar posse se vencer eleição porque é ficha suja

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


O procurador-regional eleitoral do Distrito Federal, Elton Ghersel, aguarda a publicação do edital para decidir sobre a impugnação do registro da candidatura de José Roberto Arruda (PR). Mas ele considera que, caso a decisão judicial seja mantida até o fim do ano, o candidato ao governo não poderá tomar posse em caso de vitória. 

Na avaliação do procurador, se isso ocorrer, as eleições ao GDF serão canceladas e vai ser preciso realizar um novo pleito. Elton é o responsável pela fiscalização de todas as candidaturas nestas eleições e vai atuar como representante do Ministério Público no Tribunal Regional Eleitoral. 

O ex-governador foi condenado ontem (9) em segunda instância, o que enquadraria o candidato ao Buriti na Lei da Ficha Suja. Mas, quatro dias antes da decisão do TJ, ele já havia entregue os documentos do registro à Justiça Eleitoral. 

“Pelo que eu vi, a decisão é condenatória por ato de improbidade, e a Lei da Ficha Limpa prevê que, quem for condenado por ato de improbidade com enriquecimento ilícito, fica inelegível. Quem está na condição de inelegibilidade não pode ser diplomado”, garante o procurador-regional eleitoral do DF. 

Elton Ghersel afirma ainda que, nesse caso, a eleição seria cancelada. “A lei diz que, se forem anulados mais de 50% dos votos, a eleição deve ser cancelada. Portanto, a situação contaminaria todo o processo eleitoral”. Nesse caso, seria preciso fazer uma nova eleição.
Coluna Eixo Capital.

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: