Obras em viaduto de Ceilândia onde dois já morreram ainda não começaram.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram


Após a morte de duas pessoas no viaduto da QNM 5/7, em Ceilândia Norte, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital anunciou a ampliação da rede de drenagem. O serviço deveria ter começado em 27 de janeiro, mas ontem, no local das tragédias, não havia trabalhadores nem máquinas para a realização das obras. Hoje faz quatro meses desde que a água da chuva fez a primeira vítima na passagem: a pequena Geovana Moraes de Oliveira, 6 anos, afogou-se dentro de um ônibus escolar. Manoel Silva Júnior, 20 anos, morreu em 17 de janeiro preso ao cinto de segurança de um carro de passeio. Depois do segundo acidente, o Governo do Distrito Federal interditou a via.

A comunidade alerta que nenhum trabalho foi feito na via após as tragédias. José Oliveira, 51 anos, tem uma oficina de serralheria na Quadra 7, em frente ao viaduto, e afirmou que o local não passou por mudança alguma. “Não estão mexendo em nada. O último movimento que vi foi no dia que anunciaram a obra e teve até aquele episódio que tentaram furtar um aparelho de uma máquina deles (Novacap)”, disse.

As manilhas colocadas nos acessos ao viaduto, na tentativa de impedir a entrada de veículos, foram quebradas. Agora, grandes barreiras de concreto barram o acesso. Mesmo assim, motociclistas insistem em trafegar pelo local. “Já vi motos passando por aqui e até crianças andando de bicicleta nesse viaduto”, contou o pedreiro Antônio Lorival, 33 anos. Ele passa a pé diariamente pelo local, para ir da Quadra 23 para a Quadra 7. Ele pede a resolução rápida do problema. “Temos que ter a obra para o escoamento da água, senão pode ocorrer um novo acidente nesse viaduto. Duas mortes já bastam. Interditar apenas não adianta, aqui precisa de um trabalho mais rigoroso”, apontou Antônio.


Correio Web

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: