Operação Arqueiro combate o tráfico de drogas em Ceilândia.

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Policiais da Seção de Repressão às Drogas (SRD)/23ª DP realizaram, esta semana, quatro prisões e a apreensão de mais de cem pedras de crack, destinadas ao tráfico de drogas em Ceilândia Sul. 


Dois homens e duas mulheres, acusados dos crimes, foram presos em flagrante. O trabalho bem sucedido é resultado da Operação Arqueiro, deflagrada há 20 dias.

Nessa quinta-feira (21), após dois meses de monitoramento, os agentes prenderam em flagrante, André Luís Alves da Silva, vulgo “Kuem”, 29 anos, e Rayssa Tauany Borges Martins, 19, acusados de tráfico e associação para o tráfico de drogas.  Eles foram presos em residência, na QNN 8 – Guariroba.
As investigações apontaram que André seria o responsável pela venda de entorpecentes nas proximidades da residência dele. Já Rayssa mantinha, em depósito, a droga comercializada pelo comparsa.
No momento da prisão, a acusada havia acabado de deixar 90 pedras de crack na casa de André. No local, os agentes apreenderam as porções da droga, já prontas para serem comercializadas; além de dois aparelhos celulares, utilizados pela dupla na prática do crime.
Na delegacia, a autora confirmou ter guardado e entregado a droga, a pedido de André, para a venda ilícita.
Na terça-feira (19), a mesma equipe prendeu outro casal em uma chácara do Setor Habitacional Sol Nascente, em Ceilândia. Marcone dos Santos de Azevedo, 26, e Rosângela Alves Nogueira, 29, foram flagrados com 15 pedras de crack, destinadas à venda. Também foram apreendidos quatro frascos plásticos, com resquícios da droga; 15 aparelhos celulares; e R$ 95, em espécie.
Segundo apurado, o casal recebia os celulares como moeda de troca para a aquisição da droga. Contra a dupla, havia pelo menos 10 denúncias registradas na DICOE, em razão do tráfico de drogas no setor de chácaras do SHSN.
Após as formalidades legais, os autores foram recolhidos à carceragem do DPE e as autoras, à Penitenciária Feminina do DF.

Divisão de Comunicação/DGPC

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: