(Os trapalhões) Roriz, Arruda e Gim? Bomba, não. Isso é um traque de massa

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

As especulações em torno de uma formação de chapa majoritária composta por José Roberto Arruda, Liliane Roriz e Gim Argello, onde esses concorreriam respectivamente a governador, vice-governadora e senador, caiu no front político do Distrito Federal como uma bomba que não explodiu, ou seja: não produziu o efeito necessário para alcançar o impacto de “fato novo” no ambiente político.

A composição da suposta chapa, apela para uma união forjada pelo saudosismo que a própria história recente do DF é capaz de desconstruir. Arruda, Roriz e Gim encontram-se, há muito, em pólos distantes. O ex-governador Roriz já sentiu na boca o gosto amargo do “afastamento” de Arruda e Gim, apesar de ser o grande responsável pela criação política de ambos.  
O tempo não parou em 1998 ou mesmo em 2002, onde todos estavam juntos e misturados. Os acontecimentos da pré-campanha e da campanha de 2006 deixaram até hoje feridas abertas, que somadas ao episódio da cassação do mandato de senador do “Chefe” Roriz, e a própria eclosão do escândalo da “Caixa de Pandora”, tornam a união de Roriz, Arruda e Gim pouco provável. 
Outro aspecto que põe em descrédito a formação da chapa em questão, é o arranjo partidário proposto. O PR de Arruda, assim como o PTB de Gim estão absolutamente comprometidos com o PT da Presidente Dilma, que por sua vez, tem em Agnelo Queiroz seu principal parceiro e único candidato a apoiar no âmbito local. É difícil Imaginar que as principais lideranças nacionais desses dois partidos venham colocar em risco a firme e proveitosa aliança nacional com o PT, apresentando uma chapa contrária a do governador Agnelo.
A inclusão do PRTB do ex-governador Roriz nessa composição passaria ainda pelo crivo do presidente da sigla no DF, o ex-senador Luiz Estevão, que de acordo com o que se comenta no meio político local, não morre de amores por Arruda, muito menos nutre por ele qualquer simpatia.
Avaliados esses pormenores, ainda é de se estranhar que a orquestração dessa chapa se dê, segundo matéria do Jornal Opção, pela batuta do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Natural seria que Perillo viesse ajudar a construir uma solução em que o seu partido, encabeçasse a chapa, no entanto, segundo o semanário Goiano, o PSDB sequer é citado, a despeito das pré-candidaturas de Luiz Pitiman, Izalci Lucas e Márcio Machado.
Por fim, fica no ar a seguinte pergunta: o que o presidenciável Aécio Neves acha disso tudo?

Por Guardian Notícias João Zisman 

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: