A participação de Abdias do Nascimento na fundação do PDT

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Morreu ontem  aos 97 anos o pedetista Abdias do Nascimento. Saiba mais sobre a trajetória de Abdias nesse pequeno texto que resgata a história da formação do PDT, trecho do site www.abdias.com.br .
Abdias e o PDT
Em 1945, Abdias ensaia, com Sebastião Rodrigues Alves e outros militantes negros do Partido Trabalhista Brasileiro, a criação de um Diretório Negro Petebista. Na época, não há condições da proposta prosseguir, mas Abdias mantém sua militância no trabalhismo de Jango e Brizola.

No exílio, retoma o contato com Brizola em Nova Iorque e participa do encontro O Brasil no Limiar dos Oitenta, que reúne intelectuais exilados em Estocolmo (1979). Atua de forma intensa na preparação do Encontro de Lisboa, em que trabalhistas exilados e não exilados se reúnem para reorganizar o partido.

Sua atuação é no sentido de introduzir o debate da questão racial, insistindo no compromisso específico do partido com a população afrodescendente.

De volta do exílio, participa da fundação do PDT – Partido Democrático Trabalhista, que se destaca como o primeiro partido político a estabelecer formalmente esse compromisso, inscrevendo-o como sua quarta prioridade programática.

O PDT foi o primeiro partido brasileiro a criar uma estrutura interna dedicada à luta contra a discriminação racial. A criação da Secretaria do Movimento Negro do PDT significou entregar aos próprios negros a condução de suas propostas e políticas específicas.

Não por acaso, o PDT também foi o primeiro partido a nomear secretários de estado negros, incentivar candidaturas afro-brasileiras, e criar metas de participação política dos afrodescendentes.
Um político dramaturgo militante
Em 2009, Abdias do Nascimento gravou um especial para o programa Espelho, dirigido e apresentado por Lázaro Ramos. Leia abaixo a apresentação do programa, que pode ser assistido aqui, em 3 partes.
Ele chega aos 95 anos de uma vida inteiramente dedicada ao ativismo político. Marcada por uma coerência e vigor admiráveis. Nesse trajeto, usou seus muitos talentos, pendores, capacidades. Afinal, trata-se de um político dramaturgo militante – artista plástico – e intelectual – afro-brasileiro dos mais combativos, sensíveis e internacionalmente respeitados. Sempre em favor do povo negro, da confraria dos humilhados, citada nos seus versos. Na dramaturgia, criou, na década de 40, o Teatro Experimental do Negro. Uma iniciativa que revelaria ao país o talento de nomes como Ruth de Souza e Léa Garcia, entre outros grandes artistas afro-brasileiros. E mudaria aquilo que se via nos palcos de teatro do país.

Anos mais tarde, ingressaria em outra arena – a política. Elegeu-se deputado Federal, foi Secretário de Estado e Senador da República. Viria nascer o PDT, se tornaria amigo e companheiro de lutas de Brizola e Nelson Mandela, entre outros grandes políticos e estadistas, mundo afora. Conchavou, articulou alianças, criou projetos de lei, fez discursos inflamados. Obstinado, lutou por políticas públicas e reparatórias para os afrodescendentes.

Nunca dantes as paredes e freqüentadores daqueles plenários, viram ecoar com tanta paixão, os nomes de Zumbi dos Palmares. Ou dos deuses negros, como Exu e Xangô, o Orixá da Justiça. Deuses que ele representa com cores fortes e vibrantes nos seus quadros.

Como acadêmico, deu aulas em centros universitários do país, e também nos Estados Unidos, na condição de exilado. Criou, ainda, grupos de pesquisa, organizou os primeiros congressos nacionais de negros, publicou artigos, ensaios. Enfim, forjou consciências, ganhou almas, parceiros, aliados.

Nesses últimos tempos, nosso entrevistado recebe feliz da vida e muito bem humorado – homenagens de todos os lados: da presidência da República, de universidades brasileiras e estrangeiras, de partidos políticos, personalidades e grupos militantes.

Desconfiamos que, no saldo de perdas e ganhos, ele vá festejar nossos avanços e conquistas, o aumento da consciência negra e a nova postura assumida pelos afrodescendentes nessa tal pós-modernidade. Vamos saber disso, nessa matéria. Que também é uma forma de a equipe de Espelho, prestar sua mais sincera e carinhosa reverência ao nosso entrevistado.

Veja abaixo a entrevista gravada para o Espelho, em três partes:
http://youtu.be/fvSvdDwvVaw
http://youtu.be/2nhwGPp0Pe0
http://youtu.be/Rm49WLD1e7k

Fonte: PDT Nacional

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: