Patrício solta o verbo. Há algo de podre no reino de Rafael…

Compartilhe essa matéria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Foto: Arquivo Notibras
O deputado Patrício (PT) quer o secretário de Saúde Rafael Barbosa frente a frente com a base de apoio ao Buriti e a oposição – cada vez mais sherloquiana – para prestar esclarecimentos sobre o fechamento das internações infantis nos hospitais do Gama e de Santa Maria. O confronto, caso aconteça, se dará por meio de convocação da Comissão de Ética, Direitos Humanos e Cidadania da Câmara Legislativa.

“O problema é de falta de gestão e incompetência. A Câmara Legislativa deu todas as condições para que a Secretaria contratasse um número recorde de profissionais e tivesse recursos garantidos como prioridade para investimento na rede”, destacou o deputado em pronunciamento no plenário da Casa.
– É preciso fazer uma gestão eficiente, porque ele é medico e precisa ter coragem para não passar a mão na cabeça e combater o corporativismo. Falta gestão e é preciso tomar providências. A convocação de Rafael é para cobrar que ele se comporte como médico para salvar vidas e resolva o problema; já não há espaço para desculpas, enfatizou.
O deputado também quer que Rafael esclareça o vazamento de óleo combustível de caldeira do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), no Lago Paranoá.
A postura de Patrício, ex-presidente da Câmara, tem sido vista como bandeira eleitoral de olho em 2014. Tanto ele quanto o secretário de Saúde são candidatos declarados a uma cadeira na Câmara dos Deputados.
Mais cedo, o deputado participou de ato do SindSaúde em protesto ao possível fim das atividades de internação pediátrica no HRG. “É preciso lutar contra o sucateamento que já vem há anos e que prejudica a todos, pacientes e servidores. É muito mais fácil sucatear a saúde pública, para que as clínicas e hospitais privados possam receber e as pessoas ganharem mais dinheiro”, destacou.
No último dia 18, Rafael Barbosa informou que a ala infantil do centro hospitalar passará a funcionar unicamente como Unidade de Pronto Atendimento, sem internação superior a 48 horas. A mobilização do sindicato, intitulada “Xô bicho-papão! Fechar a pediatria, não”, reuniu diversos servidores do local.
O HRG tem 30 leitos com capacidade para atender às internações pediátricas, mas apenas 10 estão disponíveis por conta da falta de infraestrutura e de profissionais. O hospital é integra a lista de 330 unidades no País denominadas pela Unicef como “Hospital Amigo da Criança”. O problema também atinge o Hospital de Santa Maria, cuja internação de crianças já não acontece desde o início do mês.
Informou o Notibrás

Deixe uma resposta

Veja Também:

Últimas Postagens

Siga-nos nos Facebook

%d blogueiros gostam disto: